por James Buchanan

[ We Should All Save More: The Economics of the Saving Ethic. Capítulo 2 da obra Ethics and Economic Progress – Tradução de Giácomo de Pellegrini ]

I. Introdução

No capítulo 1, argumento que o bem-estar econômico de qualquer pessoa, de acordo com seus próprios padrões, depende da atitude comportamental em relação ao trabalho realizado por todos nós e que, de certa forma, internalizamos esse tipo particular de interdependência através da ética do trabalho. Portanto, o subtítulo do capítulo 1 é “O valor econômico da ética do trabalho”. Em um sentido literal, meu argumento equivale a uma defesa analítica de um elemento central no que costuma ser chamado de “ética puritana”.

Não resumirei esse argumento aqui, mas minha proposição analítica central pode ser brevemente reafirmada. O trabalho, a oferta de insumos para o mercado, é um meio através dos quais o tamanho do nexo de troca de produção, o próprio mercado, pode ser determinado quantitativamente. E a oferta de mais trabalho pelos participantes da economia implica uma economia maior, um mercado maior, o que, por sua vez, implica que as vantagens da divisão e especialização do trabalho possam ser exploradas mais plenamente do que em uma economia menor. E cada um de nós, em nosso papel de usuário ou consumidor de bens finais, prefere viver em uma economia em que mais valor econômico, em vez de menos, esteja disponível em troca de um determinado esforço de insumo. Queremos “mais dinheiro pelo dinheiro”, não importa quantos “dólares” possamos acumular ou quantos possamos ganhar.

Para aqueles entre vocês que são sofisticados da economia, a extensão do argumento à poupança e à formação de capital pode ser direta. Mas como mesmo meu argumento sobre os efeitos da ética do trabalho pode não ser totalmente aceito, especialmente por meus colegas economistas profissionais, alguma variação da análise na aplicação da poupança pode não estar fora de ordem aqui. E, novamente, tenhamos em mente a afirmação de Herbert Spencer no prefácio de seu livro The Data of Ethics (nº: vii): “Somente por reiteração variada as concepções estranhas podem ser forçadas a mentes relutantes”.

Além disso, você deve se lembrar que afirmei na introdução do capítulo 1 que o apoio à proposição de que todos devemos economizar mais é mais persuasivo no sentido de aceitabilidade pública nos climas de opinião atualmente populares e mais difícil de sustentar analiticamente do que o proposição análoga de que todos devemos trabalhar mais do que trabalhamos. Ou seja, existem diferenças importantes entre a oferta de trabalho e a oferta de poupança e as normas éticas que a acompanham, que podem afetar as atitudes individuais em relação a essas margens de escolha. Minha decisão de aumentar o número de horas trabalhadas por semana é diferente da minha decisão de aumentar a taxa de poupança de minha renda atual, tanto em termos de meu próprio senso de utilidade ou satisfação, quanto nos efeitos econômicos finais sobre outras pessoas que não eu. Essas diferenças requerem análise com mais detalhes.

Na seção II, reviso, resumidamente, as origens da insatisfação pública e profissional generalizada com as atuais taxas de poupança nos Estados Unidos e o acordo normativo que as taxas de poupança são muito baixas e devem ser aumentadas. Aqueles que compartilham essa visão serão prejudicados inicialmente por aceitar meu argumento neste capítulo, embora o fundamento último da norma possa permanecer bem diferente daquele que desenvolvo aqui. Meu próprio argumento baseia o julgamento avaliativo de que a poupança pode ser muito baixa na análise do bem-estar das escolhas dos indivíduos, em vez de em qualquer conhecimento presumido de objetivos macroagregados adequados. Examino também, novamente, brevemente, a visão de que as atuais taxas de poupança são muito baixas, mas apenas por causa de várias políticas governamentais, principalmente aquelas que envolvem gastos, tributação e criação de déficit, que discriminam a poupança, com a implicação de que, se as ações governamentais pudessem, de fato, serem neutras entre poupança e outros usos de renda, o argumento normativo a favor de mais poupança desapareceria.

Na seção III, é necessário colocar todo o argumento em um cenário macroeconômico adequadamente qualificado. Muitos de nós permanecemos parcialmente presos à ilusão de inspiração keynesiana que falha em fazer a separação adequada entre as estruturas institucionais macromonetárias e as escolhas entre os usos atuais e futuros da renda. É esse conjunto de ideias keynesianas que é pelo menos parcialmente responsável pela mudança de atitudes em relação à poupança que tem sido descritivo das últimas décadas deste século.

Na seção IV, distingo categoricamente entre o argumento que proponho aqui e o que introduz um julgamento normativo ou avaliativo sobre nossas obrigações generalizadas, ou a falta delas, para as gerações futuras, para a posteridade, por assim dizer. Todo o conjunto de questões levantadas sob a rubrica de nossas obrigações para o futuro é importante e intelectualmente fascinante. Mas a ética intergeracional não é meu assunto. Meu argumento é avançado em apoio à proposição de que todos devemos poupar mais, não pelo bem de nossos filhos ou netos, mas por nosso próprio interesse econômico multiperíodo. Podemos, essencialmente, refinar completamente as questões de ética intergeracional postulando que a análise se aplica a pessoas com horizontes de tempo multiperíodos.

As seções II, III e IV são todas preliminares ao argumento central, que é explicitamente introduzido apenas na seção V. Por necessidade, o primeiro passo na análise envolve esclarecimentos de definição. O que se está poupando? E que pressupostos dos modelos analíticos são necessários para equiparar um aumento na poupança a um aumento no tamanho do nexo de mercado? Uma excursão elementar, e espero limitada, aos meandros da teoria do capital é necessária. A Seção VI apresenta uma comparação resumida dos efeitos dos aumentos na poupança e no esforço do trabalho. A Seção VII examina a internalização da externalidade envolvida em escolhas por poupança através de restrições éticas. A Seção VIII examina meios alternativos de correção e conclui o capítulo.

II. Quanto “deve” ser poupado?

Grande parte da discussão política atual sobre a baixa taxa de poupança agregada nos Estados Unidos parece aceitar, com pouco exame crítico, a noção de que existem maneiras de determinar quanto devemos poupar no total. E, por inferência, economistas-especialistas podem nos dizer se a prática atual atende ao padrão estabelecido de forma exógena. Observe que, no meu argumento deste capítulo, não preciso dizer o quanto “deve” ser poupado, em conjunto, apesar da proposição de que “devemos” poupar mais do que poupamos. Minha posição a esse respeito parecerá paradoxal apenas para aqueles que não entendem ou que não apreciam a estrutura avaliativa individualista que tento consistentemente adotar. Posso sugerir que indivíduos, agindo estritamente em seu próprio interesse, devem poupar mais do que poupam quando cada pessoa aja como se não houvesse interdependência entre as escolhas de poupança separadas feitas por pessoas separadas. Posso adiantar esse argumento e, ao mesmo tempo, recusar-me a ser levado a uma posição que envolva evocar algum critério externo para decidir qual pode ser uma taxa ótima de poupança. Meu próprio paradigma metodológico será, talvez, mais plenamente evidente à medida que a análise prossegue. Por enquanto, quero examinar brevemente as reivindicações apresentadas por aqueles que estão bastante dispostos a julgar a taxa de poupança existente menor do que algum padrão ideal que deve, presumivelmente, oferecer o objetivo da política.

Em praticamente qualquer medida, a poupança agregada nos Estados Unidos na década de 1990 é relativamente baixa, tanto em comparação com a economia em outros países desenvolvidos quanto com a economia em períodos anteriores da nossa história. A disputa continua entre os economistas e econometristas com inclinação quantitativa a respeito dos procedimentos apropriados para medir o que se deseja medir quando as taxas de poupança são discutidas. Quais itens devem e não devem ser incluídos? Não tenho competência nem interesse em participar em tais disputas, mesmo indiretamente ou em segunda mão.

Com referência às tabelas de classificação internacionais, e não importa como medimos o que medimos, a taxa de poupança da renda atual nos Estados Unidos está bem abaixo da de outros países desenvolvidos. A poupança nacional líquida, como parte do total do produto, situa-se em algum lugar na faixa entre 2,5 e 5%, enquanto no Japão essa proporção é três a quatro vezes maior, aproximadamente na faixa de 15 a 18%. Os países desenvolvidos da Europa exibem taxas agregadas de poupança que se enquadram entre esses limites. E, historicamente, a taxa de poupança nos Estados Unidos vem caindo nos últimos anos, exceto por uma possível reversão apenas no início dos anos 90.

Aqueles que avaliam o desempenho macroeconômico de “economias nacionais” inteiras são influenciados tanto pelas comparações internacionais quanto pelo registro histórico. As economias que exibem baixas taxas de poupança não crescem rapidamente e as taxas de crescimento, conforme medidas, são amplamente aceitas como critérios apropriados para o sucesso ou fracasso nacional, mas quem deve especificar se a taxa de poupança nos Estados Unidos é “muito baixa” ou se a taxa de poupança no Japão é “muito alta”? Alguma confusão sobre esse ponto é exemplificada em sugestões divertidas de políticos americanos, segundo as quais os japoneses deveriam relaxar e gastar mais. Despojadas do essencial, as críticas aos hábitos de poupança dos EUA com base em critérios de desempenho macroeconômico vagos não parecem convincentes, apesar de sua popularidade generalizada.

Uma posição um pouco mais defensável é aquela que considera a taxa agregada de poupança muito baixa, mas apenas por causa de políticas governamentais que discriminam o comportamento de poupança de indivíduos e instituições. A inferência é que a economia agregada aumentaria, talvez substancialmente, se a política não interferisse no funcionamento da economia.

Essa posição está claramente na meta, na medida em que a dissolução líquida do governo federal, na forma de seus grandes e persistentes déficits orçamentários, constitui, de fato, um item negativo substancial nas contas. Esse item, por si só, vai muito além da explicação da queda nas taxas de poupança atuais abaixo das tendências históricas nos Estados Unidos. Se, como se por alguma mágica, o déficit orçamentário pudesse ser eliminado, a taxa líquida de poupança seria substancialmente mais alta do que é agora. A mesma inferência seria feita, pelo menos por alguns observadores, com referência à discriminação às escolhas de poupança que descrevem a estrutura tributária, em todos os níveis de governo nos Estados Unidos. Por outro lado, e como apontado por outros observadores, existem características do ambiente jurídico-institucional nos Estados Unidos que podem favorecer diferencialmente a poupança e a formação de capital, como testemunha de responsabilidade limitada pelo investimento corporativo e tratamento relativamente favorável das transferências intergeracionais de riqueza.

De qualquer forma, não é necessário examinar detalhadamente nenhum dos argumentos familiares a medidas de política projetadas para aumentar a taxa agregada de poupança. Observei a existência de tais argumentos nesta seção apenas com o objetivo de sugerir que minha proposição central de que devemos poupar mais possa encontrar aceitação com base em razões bem diferentes daquelas que avançarei. A esse respeito, a escolha de poupar mais é bastante diferente, tanto na percepção pública quanto na profissional, da escolha de se trabalhar mais.

III. A Grande Ilusão Keynesiana

Vou agora desviar-me da linha principal da discussão para evitar possíveis confusões e mal-entendidos que possam surgir na interpretação de meu argumento. Esse mal-entendido pode resultar do que chamarei de “a grande ilusão keynesiana”, que exerceu uma influência significativa nas atitudes públicas, científicas e políticas durante várias décadas deste século. Refiro-me à ilusão keynesiana, porque foi Lord Keynes quem ofereceu a formulação intelectual-analítica da proposição que exerceu efeitos tão importantes no pensamento de economistas e formuladores de políticas e que continua a afetar atitudes em relação ao comportamento de poupança, mesmo na última década do século.

A proposição keynesiana central era frequentemente apresentada, particularmente nos livros de economia elementar, como “o paradoxo da poupança”. O argumento sugeria que os esforços dos geradores de renda para poupar mais, para poupar partes maiores da renda atual, poderiam sair pela culatra e que, na rede, a economia agregada poderia diminuir se muitas pessoas tentassem poupar, devido aos feedbacks sobre o fluxo de renda. A chamada falácia da composição foi introduzida para explicar por que as escolhas individualizadas, feitas separadamente, podem gerar resultados que podem ser contrários aos desejados por todas as pessoas do nexo.

Para ter uma ideia do apelo da proposição keynesiana aqui, é útil relembrar o ambiente econômico-político-institucional durante o tempo que a proposição foi articulada primeiro. Os anos 30 foram os anos da Grande Depressão. Quase um quarto da força de trabalho americana estava desempregada durante o pior daqueles anos, e o problema foi amplamente interpretado como um colapso da economia de mercado ou capitalista e, mais especificamente, como uma falha dessa economia em gerar uma demanda por sua produção suficientemente grande para retirar potenciais suprimentos do mercado. Ou seja, o diagnóstico foi aquele que atribuiu falha ao subconsumo. Portanto, o remédio era encontrado nos gastos, sejam eles privados ou públicos.

Nesse modelo, o ato de poupar, que representa uma retirada do fluxo circular de renda ou uma abstinência de gastos, exerce efeitos negativos ou indesejados no nível macroeconômico. Os gastos comerciais em instalações, equipamentos, estoques e mão de obra respondem diretamente às taxas observadas de gastos em bens e serviços por indivíduos, empresas e governos. O diagnóstico keynesiano era que a poupança era excessiva, e não deficiente, e eram defendidas políticas públicas que aumentariam as taxas de gastos. A opinião pública foi instada a mudar para elogios generalizados pela disposição expressa em gastar.

Esse diagnóstico e a subsequente prescrição da doença macroeconômica da Grande Depressão foram caracterizados por um trágico fracasso em reconhecer a importância do arcabouço político-institucional, tanto no fornecimento do ambiente apropriado para o desempenho macroeconômico satisfatório quanto na oferta de compensações corretivas às mudanças na propensão individual para acumular. No início dos anos 30, a taxa agregada de gastos estava, de fato, deprimida, e eram necessárias medidas desesperadas para aumentar essa taxa. Mas a fonte fundamental do problema foi erroneamente identificada na análise keynesiana. A fonte estava diretamente localizada no fracasso da autoridade monetária, o Federal Reserve System, que permitiu que a oferta de moeda caísse drasticamente à medida que a crise financeira-bancária se aprofundava; considerando que, como sabemos agora, a ação apropriada deveria ter sido exatamente a oposta. Agora sabemos que quase qualquer ação política ditaria que a autoridade monetária mantivesse estabilidade ou mesmo crescimento nos agregados monetários. E se esse resultado tivesse sido garantido, não haveria Grande Depressão, como tal. A macroeconomia dos Estados Unidos teria absorvida qualquer choque temporário, incluindo o que se originou na estrutura bancária, e a análise keynesiana, que ignorou as falhas institucionais, não precisava ter emergido.

E, importante para o meu propósito aqui, os participantes individuais da economia não precisavam ter sido levados a aceitar uma atitude que atribui ao gasto algum status social digno de elogio, ao mesmo tempo em que coloca um tipo de estigma social na poupança. Todo o conjunto de problemas que envolvem desempenho institucional macroeconômico-monetário, juntamente com os critérios de sucesso e fracasso, não precisam ser confundidas com as escolhas individuais de gastar ou poupar.

Obviamente, não preciso usar esta ocasião para defender minha própria análise e interpretação da Grande Depressão ou minha crítica à confusão nas respostas intelectual-analíticas. Eu incluí esta seção de resumo apenas com o objetivo de evitar possíveis mal-entendidos sobre minha empreitada. Quando sugiro que devemos economizar mais e fazê-lo em nosso próprio interesse geral, suponho que a estrutura institucional permita que os efeitos das escolhas privadas sejam separados das condições de estabilidade macroeconômica.

IV. Obrigações para futuras gerações

Preciso esclarecer mais um conjunto de noções estranhas antes de abordar o tema deste capítulo. Na medida do possível, preciso separar meu argumento de princípios normativos aparentemente relacionados que invocam considerações de ética intergeracional, princípios que fundamentam as normas de poupança na justiça intergeracional, que defendem comportamentos e proposições de poupança para aumentar a poupança em termos de obrigações para aqueles que viverão em períodos de tempo após aquele em que as decisões de poupança são tomadas, ou seja, as gerações futuras. Considero que toda a gama de questões que dizem respeito às nossas obrigações para o futuro, privada ou coletivamente, é de grande importância, e não acho que os filósofos ético-morais (e economistas) tenham dedicado atenção suficiente a essas questões. A dificuldade de obter identificadores analíticos dos problemas envolvidos não deve inibir o esforço intelectual.

Dentro dos limites da minha empreitada, no entanto, não preciso recorrer ao tratamento das gerações futuras como justificativa para o meu argumento em apoio a taxas crescentes de poupança pessoal além daquelas que emergem das escolhas independentes das pessoas. Na medida em que tais argumentos intergeracionais possam ser aduzidos para complementar e apoiar aqueles que eu proponho, em particular, se tais argumentos servirem para reforçar a força de uma ética poupadora, eles se tornarão acréscimos bem-vindos aos esforços práticos para implementar minha análise. Mas a distinção normativa entre os dois conjuntos de argumentos deve ser mantida claramente em mente. Argumentos que sugerem que devemos poupar mais, porque temos obrigações para com as gerações futuras que não estão totalmente refletidas nas escolhas atuais de poupar, necessariamente introduz comparações interpessoais e intergeracionais de utilidades, comparações que meu argumento evita, como a discussão posterior indicará.

Considere um indivíduo que faz uma escolha independente e totalmente voluntária para poupar, digamos, cinco dólares de cada cem dólares de renda obtidos. Na teoria padrão da escolha, deveríamos dizer que, na margem entre gastar e poupar, essa pessoa assegura uma utilidade antecipada do valor de um dólar de poupança que é igual ao previsto pelo gasto de um dólar. Dizer que essa pessoa deve poupar mais porque, ao fazer isso, a utilidade daqueles que podem vir mais tarde, os filhos ou netos, seja para o indivíduo quem poupa ou outros, será aumentada é presumir, de alguma forma, que os interesses desses membros do período futuro não sejam levados em consideração com precisão nas atuais escolhas de poupança. Mas quem deve julgar e em que critérios? Como as utilidades daqueles em períodos futuros devem ser medidas e comparadas com as utilidades do indivíduo que faz as escolhas no período atual?

Um cálculo bruto utilitário pode até ser sugerido para sugerir que, em vez de poupar mais, as pessoas que agora vivem deveriam realmente poupar menos. Se a poupança continuar crescendo com o tempo, por razões exógenas, os níveis de renda por pessoa prometem ser mais altos em períodos futuros do que os níveis agora observados. Portanto, o utilitarismo ingênuo pode sugerir que, com simples normas igualitárias ou redistributivas, as pessoas que agora vivem devem, na medida do possível, receber transferências daqueles que viverão mais tarde, e não o contrário. Algum ajuste para baixo nas taxas de poupança livremente escolhidas pode, assim, ser contemplado, incluindo a dissolução representada pelos déficits orçamentários do governo.

Esse último argumento pode parecer bizarro, mas o apresento aqui apenas para indicar que qualquer esforço para justificar taxas crescentes de poupança da renda atual devido à preocupação com as gerações futuras pode sair pela culatra. A ética intergeracional deve nos interessar. Mas se pudermos construir um argumento para mais poupança sem recorrer a comparações entre gerações, permaneceremos muito à frente de um jogo muito complexo.

V. Poupança, Capital e Extensão do Mercado

Agora estou no ponto em que posso começar a desenvolver minha proposição central. Mas primeiro deixe-me resumir o que já disse aqui. Eu evitei a discussão de política macroeconômica sobre as alegadas baixas taxas de poupança; Avisei contra misturar as escolhas de poupança feitas por indivíduos e as características gerais de desempenho das instituições macromonetárias; e sugeri que preocupações com obrigações para as gerações futuras são irrelevantes para o meu argumento.

Então, sobre o que é meu argumento? Em certo sentido, a proposição é muito simples; mas em outro sentido, é bastante complexa. Simplificando, a proposição afirma que o ato de poupar permite liberar recursos na produção de capital, em vez de bens de consumo, e que esse aumento de insumos de capital no mercado opera essencialmente da mesma maneira que um aumento na oferta de entrada de mão de obra (como discutido no capítulo 1). O aumento de capital expande o tamanho da economia, e isso, por sua vez, permite uma maior exploração da divisão e especialização de recursos. O valor econômico do produto por unidade de insumo se expande, e esse resultado garante que todas as pessoas do nexo econômico, sejam trabalhadores, poupadores ou consumidores, melhorem e em seus próprios termos.

Esta declaração sumária da proposição é precisa, mas desliza por várias etapas subsidiárias na análise que deve ser esclarecida. Quando considerada em nível individual, exatamente o que está envolvido em um ato de poupança? Poupar não é gastar. O fluxo de renda recebido por um indivíduo permite a disposição voluntária em duas categorias compostas: (1) gasto em compras de itens finais de consumo e (2) poupança. Em um sentido real, a poupança é um resíduo; ela mede a quantidade de renda que resta depois de se gastar em bens e serviços. Mas que forma essas poupanças assumem? O indivíduo não retira simplesmente o poder de compra do fluxo circular de renda da economia. Os fundos poupados podem retornar ao fluxo circular, sendo disponibilizados às pessoas e instituições que os utilizam para comprar bens de capital.

(No modelo mais simples, poderíamos pensar na mesma pessoa atuando da forma de poupador e investidor aqui. Robinson Crusoé poupa ao renunciar à coleta de cocos por tempo suficiente para construir a rede de pesca, um bem de capital. Como sabemos, no entanto, grande parte de toda a análise keynesiana se baseou no reconhecimento de que o ato de poupar não é equivalente ao ato de investimento e que pessoas diferentes desempenham papéis diferentes. Parece melhor, portanto, pensar inicialmente em termos dos arranjos institucionais que permite que os fundos poupados por um indivíduo sejam disponibilizados àqueles que efetivamente realizam as compras de bens de capital separadamente. Se a estrutura macromonetária estiver em vigor e se essas instituições funcionarem adequadamente, um ato de poupança acompanhará um ato de compra de bens de capital. Um dólar em nova poupança, um dólar não gasto na compra de bens e serviços finais, permite a compra de bens de capital por um dólar.)

Numa primeira vista, pode parecer não haver efeito no tamanho inclusivo do nexo econômico em uma mudança da compra de um bem de consumo para a compra de um bem de capital. Obviamente, haveria uma mudança na composição da produção, pois a alocação de recursos responde à mudança nas demandas. Se as pessoas aumentam suas taxas de poupança com a renda atual, com reduções compensatórias nos gastos de consumo, a economia responde gerando quantidades ampliadas de bens de capital e quantidades reduzidas de bens de consumo. O tamanho agregado do nexo de troca de produção não parece ser modificado no processo. A mudança para mais poupança não parece, a princípio, análoga à mudança do não-trabalho para o trabalho, que, diretamente, expande o tamanho do nexo econômico ou de mercado às custas do setor fora do mercado.

Esse relato, no entanto, negligencia uma característica fundamental da vida econômica, a produtividade do capital. Se o que é comprado como resultado da liberação de recursos do gasto com bens e serviços de consumo não for mais do que quantidades armazenáveis ​​desses últimos, não haveria aumento líquido no tamanho da economia como resultado da mudança de comportamento. Mas os bens de capital não são adequadamente modelados como bens de consumo na forma armazenada. Bens de capital são instrumentos ou ferramentas utilizados em última instância na produção de bens finais. Bens de capital são insumos para os processos de produção.

A característica essencial do capital, como noção abstrata, é que ele é produtivo. O significado preciso da palavra “produtivo”, no sentido usado aqui, deve ser esclarecido, especialmente porque a aplicação aos bens de capital tem sido fonte de muita confusão na história das ideias econômicas. Falando de maneira geral, qualquer input que seja transformado em valor o output é produtivo, o insumo é empregado para fins de geração de valor, mas esse uso geral não é o que se entende pelo termo “produtivo”, no sentido exigido para a análise aqui. Dizer que o capital é produtivo é dizer que o valor produzido pelo emprego do capital é maior do que o valor que é abandonado ou sacrificado na produção ou aquisição de capital. Ou seja, os bens de capital produzem um excedente, além do custo de produção. Esse excedente produtivo é, no entanto, gerado apenas no tempo. (A transformação imediata de um bem de capital comprado em bens de consumo atuais não produziria, é claro, nenhum excedente.) Essa produtividade ao longo do tempo, e somente ao longo do tempo, fez com que muitos economistas atribuíssem a produtividade líquida ao próprio tempo, em vez de aos atributos do capital, com confusão intelectual indevida no processo. O fato elementar é que, se usados ​​ao longo do tempo, os bens de capital produzem um excedente além do retorno necessário para amortizar totalmente o valor inicial dos gastos. O investimento de um dólar hoje produz um retorno produtivo de, digamos, 5% ao longo de um ano, para um retorno bruto de US$ 1,05.

Este exemplo numérico simples faz o meu ponto. A economia, daqui a um ano, é maior em cinco centavos do que a economia hoje, quando é tomada a decisão de poupar e investir o dólar adicional, de retirar esse dólar dos gastos com bens de consumo. E quando a economia no próximo ano aumentar de tamanho, pode haver maiores perspectivas de especialização no uso de recursos, com os efeitos resultantes traçados no capítulo 1.

No entanto, pode ser útil rastrear esses efeitos em aplicações específicas para escolhas de poupança. Retorne ao exemplo numérico acima. A pessoa que opta por poupar o dólar extra hoje o faz na expectativa total de receber US$ 1,05 por ano a partir de hoje. Uma motivação para a poupança em primeiro lugar é certamente o conhecimento da oportunidade de garantir um valor maior no futuro do que o valor que deve ser entregue hoje, conforme medido no sacrifício atual de bens e serviços de consumo. Mas como os outros na economia obtêm algum benefício com a decisão de poupança daquela pessoa que hoje retira o dólar adicional do fluxo de gastos de consumo? Em termos de exemplo, parece que a pessoa que poupa, e somente essa pessoa, obtém o retorno total do investimento que a poupança possibilita, o excedente total gerado pela produtividade do capital ao longo do tempo. O retorno de 5% sobre o desembolso inicial é devido e pago à pessoa que separa o dólar, que se abstém de consumir em troca da oportunidade de aumentar sua renda no próximo ano.

Como na externalidade da oferta de trabalho, no entanto, existem benefícios adicionais decorrentes da decisão de poupança. Conforme observado, a economia, medida pelo valor total do produto, torna-se maior pelo tamanho do incremento do valor refletido no produto líquido do investimento de capital que o ato inicial de poupar torna possível. Certamente, as fontes adicionais disponíveis para gastos, tanto em bens de consumo quanto em capital, no segundo ano devem vir da pessoa que primeiro poupa e depois recebe esse retorno líquido. Mas essa pessoa, no segundo ano, é capaz de retornar ao gasto ou ao fluxo de capital, ou ambos, US$ 1,05, que se torna a demanda por bens e serviços produzidos na economia. E uma economia que é maior, mesmo que em cinco centavos, é capaz de explorar mais plenamente as vantagens da especialização no uso de recursos. Coloque um dólar de poupança adicional junto com outros que refletem decisões semelhantes por parte de muitas pessoas, e uma tecnologia em algum lugar à margem da viabilidade econômica pode ser empurrada para além do limite da capacidade de sobrevivência.

A análise está de acordo com o descrito no capítulo 1, no qual discuti a oferta de mão de obra adicional, na forma de mais trabalho. Os participantes individuais de uma economia, por meio de suas próprias opções de trabalho versus lazer, em um caso, e gastos versus poupança no outro, podem aumentar seu próprio bem-estar econômico, agindo de maneira a incorporar em seu próprio comportamento as interdependências entre suas escolhas feitas separadamente no fornecimento de mão de obra e poupança de insumos ao mercado.

VI. Um dólar poupado é um dólar ganho: uma comparação quantitativa

A economia de um dólar representa uma retirada inicial do fluxo de gastos de consumo, o que possibilita a adição de um dólar à demanda e compra de bens de capital. O aumento no tamanho medido da economia ocorre apenas porque o capital é produtivo. No próximo período, a economia é maior pela quantidade do produto líquido do capital, ou seja, pelo retorno além da depreciação total. Essa análise simples parece sugerir que um novo dólar de poupança é muito menos eficaz na geração de um aumento no tamanho da economia do que um novo dólar ganho como resultado de uma expansão na quantidade de horas trabalhadas. Este último expande o tamanho do nexo de troca de produção em um valor total de dólar, enquanto um novo dólar de poupança expande o nexo no próximo período em apenas, digamos, cinco centavos.

A simples análise a esse respeito é bastante enganadora, no entanto, porque ignora o fato de que o capital, uma vez criado, é permanente, em termos de seu valor econômico. Hoje, um dólar de novas poupanças possibilita um aumento no investimento em capital produtivo que trará um retorno acima da depreciação total, não apenas no primeiro período após o incremento inicial para investimento de poupança, mas em todos os períodos futuros. Portanto, o valor atual descontado do aumento no tamanho do nexo econômico gerado por um novo dólar de poupança é um dólar (supondo que o investimento produza a taxa média de retorno e que essa taxa de retorno também seja a taxa de juros pelos quais os rendimentos são descontados). Em termos de valor presente, portanto, o dólar de novas poupanças é quantitativamente o mesmo em efeito que o dólar de novos ganhos resultante de um aumento na oferta de trabalho ao mercado.

No entanto, o momento da expansão do mercado permanece diferente nos dois casos. O aumento imediato da oferta de trabalho pode estimular a introdução imediata de novas tecnologias viabilizadas pelo aumento dos ganhos em tamanho efetivo. O aumento do valor presente no tamanho efetivo da economia resultante de um incremento na formação de capital possibilitado pela nova poupança pode estimular uma taxa um pouco mais lenta de avanço tecnológico sustentável.

VII. Internalização através de uma ética da poupança

Nos capítulos 1 e 2, minha empreitada é primariamente positiva no significado científico desse termo, apesar das declarações deliberadamente assertivas usadas nos principais títulos dos capítulos. Os dois subtítulos são descritivamente mais precisos. Meu objetivo é demonstrar que, tanto a ética do trabalho quanto a ética da poupança, componentes básicos desse conjunto de atitudes frequentemente resumidas na rubrica “ética puritana” mantém um conteúdo econômico positivo, mesmo na última década do século XX. Ou seja, na medida em que essas restrições éticas existam e continuem a influenciar o comportamento da escolha individual, estamos melhor do que estaríamos em sua ausência total. E nesta declaração resumida, como em outros lugares, uso o termo “melhor situação” estritamente com referência às próprias avaliações dos indivíduos, em vez das minhas ou de qualquer outro conjunto de padrões.

Na linguagem da moderna economia do bem-estar (paretiana), internalizamos a externalidade ou a interdependência entre nossas decisões separadas de trabalhar e poupar através da presença em nossa psique de um conjunto de restrições éticas que determinam tanto que trabalhemos mais e que poupemos mais do que nossas preferências cruas poderiam nos indicar. Os pontos fortes dessas restrições éticas, portanto, o grau em que realmente influenciam o comportamento da escolha variará, é claro, de uma pessoa para outra, entre diferentes ambientes sociais, e também não permanecerá constante ao longo do tempo. Sugeri no capítulo 1 que sinto alguma erosão na força da ética do trabalho, com consequências previsíveis.

A esse respeito, minha preocupação com a erosão da ética da poupança é ainda mais aguda. Entre um grande número da força de trabalho americana, apesar de alguma erosão, a ética do trabalho permanece forte. Mas o declínio observado na taxa agregada de poupança nacional líquida nos Estados Unidos não pode ser negado. E, mais uma vez, as consequências para o nosso próprio bem-estar devem ser claras.

Devemos nos tornar relativamente mais pobres, em nossos próprios termos, à medida que pouparmos menos, pois nossa economia não cresce tão rápido quanto possíveis taxas mais altas de poupança. E esse veredito se aplica a todos na economia, independentemente de onde uma pessoa está localizada na cadeia intergeracional descrita por legados positivos e negativos.

É relativamente fácil identificar várias fontes de erosão na força da ética da poupança. Já discuti brevemente a interpretação keynesiana dos eventos da década de 1930, um diagnóstico que elevou o “paradoxo da poupança” ao centro das atenções dos economistas e que certamente, com algum atraso de tempo, influenciou o comportamento dos políticos no seus tratamentos institucionais de incentivos. Além disso, presumivelmente, o estigma social associado ao comportamento de poupança exerceu algum efeito, ainda que ligeiro, nos hábitos de gastos pessoais. As inovações financeiras que facilitaram o gasto, principalmente com as receitas ainda não auferidas, permitiram que as pessoas não poupassem mais prontamente, dificultando assim o trabalho positivo de poupança, compensando as negativas entradas nos balanços nacionais.

Um desenvolvimento um tanto relacionado, mas amplamente independente, modificou a estrutura dos incentivos à poupança, além de qualquer operação direta de restrições éticas. Refiro-me ao surgimento do Estado de transferência de bem-estar social durante o curso deste século. Uma descrição abreviada pode classificar esse desenvolvimento como a politização ou coletivização desse elemento na economia que anteriormente havia sido motivado tanto por consideração pelo ciclo de vida quanto pela herança intergeracional. Esquemas politizados de seguro social contra perda de renda durante os anos de aposentadoria são as formas de realização institucional dessas mudanças. Como a experiência sugere, os governos mostraram-se dispostos a emitir promessas para garantir o apoio à renda da aposentadoria, mas geralmente não estão dispostos a cobrar impostos com o objetivo de acumular ativos rentáveis ​​suficientes para cobrir os custos do período futuro. Com efeito, o sistema de seguridade social, o sistema para atender às necessidades de renda da aposentadoria, foi financiado pelos fluxos de renda atuais e não pelo investimento produtivo em capital.

Como participante do sistema politizado, o indivíduo é motivado a reduzir as poupanças que poderiam ter sido reservadas para garantir fluxos de renda durante os anos de aposentadoria. Esse resultado não precisa acompanhar a politização de um plano de aposentadoria ou pensão. Mas tal efeito neutro na poupança agregada seria produzido apenas se o esquema coletivizado fosse, ele próprio, mantido em alguma base atuarialmente sólida. O fracasso das legislaturas eleitas democraticamente em adotar medidas para acumular saldos de fundos suficientes para cumprir as obrigações com pensões tem sido característico do sistema americano, desde a sua criação na década de 1930.

Em um sentido mais geral e além de qualquer politização do que poderia ser chamado de organização de contas individualizadas, o aumento dramático no setor de transferências da economia minou os incentivos para poupar e investir. Na medida em que as pessoas são levadas a esperar que os pagamentos de transferências governamentais estará disponível para eles como membros deste ou daquele grupo que se qualificam à elegibilidade como consequência deste ou daquele evento ou circunstância, seu planejamento contra muitas contingências não precisa ocorrer. E, é claro, os impostos cobrados para financiar tais transferências dificultam mais essa economia de renda. A segurança “do berço ao túmulo” prometida no slogan idealizado do Estado de transferência do bem-estar social é um convite aberto ao indivíduo para viver lado a lado, quase como um complemento direto à politização das transferências.

Sobreposta ao surgimento do Estado de transferência de bem-estar neste século estava a experiência da inflação, especialmente durante a década de 1970 nos Estados Unidos. Mesmo para as pessoas que desejam executar planos de poupança individualizados para ciclo de vida, legado ou outros motivos, as expectativas inflacionárias dificultaram a poupança real. Os instrumentos monetários não garantem a manutenção do valor real ao longo do tempo, e os preceitos do comportamento da escolha racional determinam mudanças na demanda de bens reais, com um claro viés em relação aos itens de consumo, não-duráveis ou duráveis. E os bens de consumo duráveis, embora produzam benefícios ao longo do tempo, não se qualificam como capital produtivo na análise esboçada anteriormente.

A família, como uma unidade coesa que se estende além da vida de seus membros individuais e que se torna a base institucional para a transmissão intergeracional da riqueza acumulada (valor do capital), tornou-se menos importante em todo o nosso esquema de interação social. Até a restrição ética limitada que às vezes instruía os membros de famílias ricas a não “consumir o capital” perdeu muito de sua influência.

A lista de causas para mudanças de comportamento em relação aos gastos de consumo e longe da poupança poderia ser estendida. Mas a análise aqui é limitada em grande parte a uma explicação parcial dos efeitos das mudanças, e não das causas.

VIII. Alternativas à restauração de uma ética poupadora

Nos Estados Unidos de 1993, provavelmente não é totalmente racional que o indivíduo, ou a unidade familiar, poupe mais do que uma parte um tanto limitada da renda, uma parte suficiente para atender às contingências pessoais que ainda não se qualificam para subsídios. programas de transferência de bem-estar social. Se os resíduos de uma ética antiquada, ao estilo puritano, levam as pessoas a poupar mais do que os elementos objetivos em suas configurações de escolha individualizadas ditam ser racionais em algum sentido estrito, todos somos beneficiados pelos efeitos externos descritos anteriormente. Mas deve ficar claro que a força de qualquer norma ética deve continuar se deteriorando ainda mais diante de mudanças contínuas, e possivelmente ainda em aceleração, nas estruturas de incentivo. “O Estado cuidará de você”, este é o hino da modernidade. Por que devemos esperar, da ética ou de qualquer outra fonte, que os indivíduos poupem muito?

A característica interessante do ambiente político da década de 1990 é que parece haver um reconhecimento crescente dos efeitos da baixa taxa de poupança no crescimento econômico e também um reconhecimento de que a estrutura de incentivos do sistema de transferência de impostos (juntamente com o déficit orçamentário) é um fator causal relevante. Não está fora do alcance da previsão plausível sugerir que, em algum momento da década de 90, possamos observar tentativas de internalização política das interdependências entre as opções de poupança individuais. Essa alternativa política à correção ética não pode ser prevista com relação à externalidade da oferta de trabalho. Portanto, pelo menos nesse aspecto, a ética do trabalho continua a ser mais importante do que a ética da poupança. Mas, em certo sentido, a ação política destinada a restaurar os incentivos para poupar e investir, embora não assumindo a forma de impor restrições éticas à escolha individual, pode refletir pelo menos um reconhecimento indireto das interdependências econômicas enfatizadas neste capítulo.

Outra maneira de fazer esse mesmo argumento é dizer que todo o ninho de preocupações com as baixas taxas de poupança agregada, por padrões de comparação internacionais ou históricos, parece estar fundamentado em critérios de desempenho macroeconômico, como taxas de crescimento medidas, em última análise, pode estar fundamentado em alguma aceitação implícita e desarticulada da análise que descrevi aqui. Ou, como talvez seja mais provável, podemos obter ação política projetada para aumentar as taxas de poupança por razões não relacionadas aos argumentos aqui avançados, razões que podem ser baseadas em fundamentos analíticos questionáveis, positivos ou normativos. Seja como for, quaisquer medidas eficazes para aumentar a poupança podem, dentro de certos limites, ser analiticamente fundamentadas em considerações de nossos próprios interesses, e os esforços para elaborar nosso entendimento das interdependências econômicas entre nossas escolhas de poupança separadas podem prosseguir em conjunto com etapas práticas para reformas nas estruturas de incentivo.