por Michael Huemer

[ Research — Who Needs It? – Tradução de Giácomo de Pellegrini ]

Aqui está o plano de fundo para a pergunta do título. Uma enorme quantidade de pesquisa está sendo feita por acadêmicos (inclusive eu), em todos os tipos de campos. Esta pesquisa é valorizada pelas prestigiadas universidades, que são todas “universidades de pesquisa”. Elas geralmente esperam que seu corpo docente (tenure) publique e continue publicando ano após ano. E há bastante apoio de vários tipos para a pesquisa acadêmica, desde universidades, governo e doações privadas.

Seria interessante ter alguma forma de avaliação do valor típico de uma parte da pesquisa acadêmica. Talvez a maioria das pesquisas seja intrinsecamente valiosa? Produz benefícios para os acadêmicos? Produz benefícios para a sociedade? Se produzem benefícios, são grandes ou pequenos?

Não vou comentar sobre o valor intrínseco. Quanto ao resto, acho que os benefícios da grande maioria das pesquisas acadêmicas são pequenos, isso na melhor das hipóteses, possivelmente negativos e não cobre os custos.

1. O status quo da pesquisa

Caso você não seja acadêmico e não saiba disso, deixe-me fazer uma breve descrição da situação da pesquisa acadêmica. (Parte disso foi abordada em uma postagem anterior)

a) Quantidade

Comece com a característica mais simples: quantidade. Agora, não sei quanta pesquisa total existe, mas eis o que sei sobre meu próprio campo. Estimo que há 600 novos artigos e livros de filosofia acadêmica escritos por semana no mundo de língua inglesa, ou mais de 30.000 por ano.1 Como isso já dura há algum tempo, existem pelo menos centenas de milhares de livros e artigos de filosofia , possivelmente milhões.

A filosofia, infelizmente, não é o único campo de estudo. Não sei exatamente quantos campos existem ou como a filosofia se compara aos outros em quantidade de publicação. Mas posso lhe dizer que minha universidade oferece, pela minha conta, um total de 79 cursos distintos. Suponho que todos ou quase todos representem campos com seus próprios journals, publicando seus próprios artigos. Se todos fossem tão prolíficos quanto a filosofia, seriam dois milhões e meio de artigos e livros acadêmicos por ano.

É literalmente impossível, em geral, acompanhar a literatura em qualquer disciplina acadêmica. E, no entanto, para publicar seus próprios artigos, geralmente você deve estar familiarizado com a literatura relevante para o seu tópico.

A causa disso é a discussão de questões amplas que se referem a muitas outras questões nas quais estamos interessados ​​- em outras palavras, o tipo de discussão mais interessante. Se você tentar escrever sobre uma pergunta ampla que se cruza com muitas outras questões, multiplica a montanha de artigos que você precisa percorrer para ser um estudioso responsável.

b) Tópicos

O que me leva à segunda característica típica da pesquisa acadêmica: os tópicos que pesquisamos. Para tornar possível manter-se razoavelmente atualizado com a literatura relevante, os acadêmicos dividiram seus campos de estudo em subcampos cada vez mais estreitos, escolhendo as pequenas questões mais microscópicas para se concentrar. Mesmo assim, manter-se atualizado com a literatura em seu próprio subcampo é um desafio.

Por exemplo, um filósofo pode trabalhar com livre-arbítrio, caso em que pode ser a única coisa, ou quase a única coisa, sobre a qual esse filósofo escreve em toda a sua carreira. E o artigo típico do filósofo do livre-arbítrio pode não (como você pode presumir ingenuamente) abordar se temos ou não o livre-arbítrio. Já existem muitos documentos e livros falando sobre isso, por isso é quase impossível publicar qualquer coisa diretamente abordando essa questão. Em vez disso, um artigo típico diria algo como: “Eu argumento que a mais recente resposta de Smith no Northeastern Journal of Nitpicking Philosophers (2018) à objeção de Jones aos argumentos das consequências para a incompatibilidade do livre-arbítrio e determinismo não consegue refutar a objeção de Jones. Mas não estou dizendo que a objeção de Jones é correta, ou que outras respostas não a refutem, e não estou dizendo nada sobre se o livre arbítrio é compatível com o determinismo, e muito menos se temos livre-arbítrio”.

Novamente, eu apenas conheço meu próprio campo. Mas tenho certeza de que outras áreas acadêmicas estão focadas em tópicos igualmente minúsculos e atualizados, que dificultam que alguém de fora se preocupe. Por exemplo, se alguém está estudando literatura, provavelmente está escrevendo artigos sobre o uso de imagens arbóreas nos primeiros escritos do autor de Ignoterran do século 14, Blabbius Obscurius.

c) Estilo

Portanto, a quantidade de escritos acadêmicos garante que quase todos serão lidos por quase ninguém. Os tópicos desses escritos ainda garantem isso. Além disso, mesmo que, por algum motivo, você tenha um grande interesse pelas imagens arbóreas iniciais de Blabbius Obscurius, há mais um obstáculo para a leitura da maioria dos trabalhos acadêmicos: o estilo da escrita. A maioria das redações acadêmicas é projetada para ser um substituto digno de crédito para o Benadryl, para aqueles que precisam de ajuda para adormecer à noite.

Tomo um exemplo de Steven Pinker, que encontrou essa frase em um artigo de psicologia acadêmica:

Os participantes leem afirmações cuja veracidade foi afirmada ou negada pela apresentação subsequente de uma palavra de avaliação.

Depois de algum trabalho de detetive, Pinker descobriu o que isso significava: as pessoas que participaram do estudo leram algumas declarações, cada uma seguida pela palavra “verdadeiro” ou “falso”.

Agora imagine ler um artigo completo de 25 páginas escrito nesse estilo. A maioria dos autores acadêmicos não se preocupa com a legibilidade ou não tem ideia de como produzi-la. Agora você sabe por que os acadêmicos raramente se queixam de insônia.

A propósito, aqui estão os títulos reais dos artigos de uma edição recente de uma revista acadêmica:

“Gramáticas locais e atos do discurso na redação acadêmica: um estudo de caso de ‘exemplificação’ em artigos de pesquisa linguística.”

“Trazendo uma perspectiva semiótica social para a educação secundária de professores nos Estados Unidos.”

“Investigando os efeitos da redução da complexidade linguística na compreensão dos alunos da EAL nas avaliações do primeiro ano da graduação.”

d) Apoio

Como eu disse, existe muito apoio à pesquisa acadêmica. Para começar, nas universidades de pesquisa (incluindo todas as “boas” universidades), os professores com tenure geralmente recebem cargas de ensino mais baixas – como metade do número de aulas que as pessoas têm em escolas com foco em ensino – para nos permitir chacoalhar mais pesquisas.

Depois, existem coisas como períodos sabáticos (onde podemos tirar meio ano ou um ano para pesquisar), bolsas de pesquisa (onde alguém fornece apoio monetário para acadêmicos que pesquisam por algum período, sem ensino) e bolsas fornecida pelo governo e doadores privados para pagar por pesquisas que tenham despesas não triviais associadas a ela. Existem coisas como, por exemplo, o NEH, o ACLS e a Fundação Templeton.

Também existem prêmios concedidos para pesquisas acadêmicas, como os prêmios de livros da APA e vários prêmios para artigos.

Também existem fundos disponíveis de universidades e doadores para coisas como convidar palestrantes de outro lugar para ir à sua universidade ou organizar conferências acadêmicas com palestrantes de várias universidades.

E, claro, o prestígio no mundo acadêmico está basicamente 100% conectado à pesquisa.

2. Quão boa é a pesquisa?

Eu tive que lhe contar tudo isso para lhe dar alguma base para avaliar o valor de uma pesquisa acadêmica típica. Ou: quanto a sociedade precisa de mais pesquisas?

a) Conceitos de fundo da economia

Duas ideias importantes da economia se aplicam aqui:

(1) Custos de oportunidade: quando avaliamos qualquer coisa, o que importa geralmente é como essa coisa se compara às suas alternativas realistas. A pesquisa acadêmica consome recursos. Então, essa pesquisa é mais ou menos valiosa do que as outras coisas que poderíamos fazer com esses recursos?

(2) Custos e benefícios marginais: além disso, quando avaliamos algo, o que importa para fins práticos geralmente é o custo ou benefício marginal da coisa. Por exemplo, já temos milhões de livros acadêmicos e eles vieram para ficar. A questão praticamente relevante é: quanto valor é adicionado quando outro livro é produzido, dada a oferta que já temos?

Quando digo que a maioria das pesquisas acadêmicas tem pouco ou nenhum valor, você pode entender que isso significa que este trabalho carece de valor cognitivo, valor julgado por padrões puramente intelectuais e, portanto, por exemplo, que eu daria à maioria dos artigos publicados uma nota baixa se eu os estivesse classificando. Claro que isso é falso. A maior parte é intelectualmente sofisticada e contém algum raciocínio que contribui para algum tipo de conhecimento. Mas a questão é se a adição de mais trabalhos desse tipo ao que já temos aumenta o valor geral para a sociedade, em comparação com outras coisas que poderíamos estar fazendo. Para isso, a resposta é quase sempre não.

b) Custo de oportunidade

Parte do custo da pesquisa acadêmica é o dinheiro que serve para apoiá-la. Parte desse dinheiro é em dólares de caridade que, é claro, poderiam apoiar medidas muito mais econômicas para ajudar o mundo. (Consulte https://animalcharityevaluators.org e https://www.givewell.org para as melhores causas de caridade.)

Aqui está o outro custo principal: a pesquisa acadêmica está absorvendo o tempo e as energias de milhares de acadêmicos. Geralmente, esse é o tipo de pessoa que poderia estar entre os membros mais produtivos da sociedade. Eles tendem a ser

(i) altamente inteligentes; de fato, as universidades de pesquisa abrigam algumas das pessoas com QI mais alto que você encontrará em qualquer lugar; e

(ii) consciencioso e trabalhador – principalmente aqueles que são pesquisadores de sucesso em universidades de prestígio, que é uma área extremamente competitiva.

Essas são as principais coisas que podem tornar alguém extremamente produtivo e benéfico para a sociedade… a menos que essa pessoa tenha suas habilidades e energias prodigiosas desviadas para brincar de jogos intelectuais isolados com outras pessoas inteligentes.

Portanto, para justificar a quantidade de pesquisa acadêmica que estamos realizando, teríamos que dizer que produzir mais do material descrito na seção 1 acima tende a ser melhor para a sociedade do que ter essas pessoas trabalhando em outras áreas – quaisquer que sejam as outras profissões onde os mais inteligentes e trabalhadores provavelmente participariam se não fossem pesquisadores acadêmicos. Isso soa provável para você?

c) Rendimentos decrescentes

As publicações acadêmicas não são como outros bens, onde quanto mais produzimos, mais pessoas podem desfrutar o bem. Por exemplo, se produzimos mais carros, então (por um tempo) mais pessoas podem aproveitar os benefícios de um carro. Não é o caso, por exemplo, de livros de filosofia: não há necessidade de escrever livros adicionais para fornecer a leitores adicionais de filosofia, pois todas as pessoas já podem desfrutar de todos os livros de filosofia que foram escritos. Tudo o que precisamos fazer é copiar alguns livros existentes nos computadores dos novos consumidores. Como dizem os economistas, os carros são um bem rival; livros não são rivais.

Além disso, os livros existentes já são mais do que qualquer ser humano poderia ler em um milhão de anos. Portanto, ninguém precisa escrever mais livros para que mais pessoas possam ler livros.

É como se você tivesse milhares de pessoas trabalhando em uma fábrica todos os dias fabricando jeans para você, quando você já tem uma pilha de 10 milhões de jeans. (E você não pode vendê-los.) O valor marginal do jeans teria atingido zero, se não for negativo.

Dito isto, ainda existem razões pelas quais escrever um novo livro poderia agregar algum valor. Talvez nenhum dos livros existentes seja suficiente para atender a certas demandas dos consumidores – talvez porque alguns tenham gostos extremamente específicos ou existam verdades importantes que os livros existentes ainda não descobriram. (Por exemplo, consulte os livros listados aqui: https://www.amazon.com/Michael-Huemer/e/B001H6GHNU. Estes obviamente agregaram enorme valor ao estoque de livros de filosofia.)

Mas as reflexões acima definem pré-requisitos altos. Imagine que você fez uma lista de leitura contendo apenas os melhores livros que existem para você ler. A lista contém livros suficientes para preencher todo o seu tempo de leitura pelo resto da vida. Digamos, 500 livros (acho que você não vai ler mais do que isso). Por estipulação, eles são os melhores livros do ponto de vista do que você deseja de um livro.

Agora, escrever um novo livro beneficia você apenas se meu novo livro for bom o suficiente para substituir um dos livros dessa lista. Portanto, neste exemplo, meu novo livro teria que ser um dos 500 melhores livros já escritos (do seu ponto de vista). Existem dezenas de milhões de livros, então essa é uma ordem muito, muito elevada.

Advertência: Esses seriam os livros mais adequados para você como um leitor individual, que não são necessariamente os livros que você consideraria “melhores” em um sentido objetivo ou quase objetivo. Por exemplo, você pode preferir ler Goodnight Moon em vez de Principia Mathematica, mesmo que o último seja objetivamente melhor. Os leitores diferem muito no que desejam, portanto, pode haver muitos livros entre os 500 melhores de alguém. Isso torna menos ridículo pensar que agora eu poderia escrever um livro que agrega algum valor.

Depois de pensar nos pontos acima (mesmo com a ressalva), é muito plausível pensar que a maioria dos novos livros acadêmicos agrega pouco ou nenhum valor ao estoque de livros existente.

Nota lateral sobre ciências naturais vs. humanidades: É plausível que haja muito mais espaço para pesquisas úteis em ciências naturais, porque realmente existem muitos conhecimentos científicos extremamente específicos sobre pequenas questões que têm alguma aplicação prática. O caso é diferente para o conhecimento cujo principal valor é a satisfação que os leitores obtêm ao aprendê-lo, o que seria o caso para a maioria dos conhecimentos (putativos) nas ciências humanas. A ciência social é um caso intermediário.

d) Falsidade

Existem razões pelas quais uma pesquisa pode realmente ter valor negativo. A primeira razão é que, em vez de expandir o conhecimento humano, pode promover ideias falsas.

“Sim, mas esse é plausivelmente o caso da maioria dos livros e artigos acadêmicos?”

O Papa usa um chapéu engraçado? Absofuckinglutely. É claro que a maioria dos artigos e livros filosóficos é amplamente falsa. Eu sei disso porque a grande maioria deles conflita, em suas principais reivindicações, com vários outros artigos e livros (geralmente de outros filósofos). Já foi dito que a única coisa com que um filósofo pode contar é discordar de outros filósofos. É assim que sabemos que os filósofos geralmente estão errados.

Bem, talvez você possa estar certo se confia apenas em pontos negativos, apontando erros cometidos por outros filósofos, sem avançar suas próprias teorias. Claro, e uma grande quantidade de filosofia publicada é assim. Mas esse também não é um tipo de filosofia muito interessante ou valioso, e seria estranho tentar justificar a produção de 30.000 artigos de filosofia por ano apenas para corrigir os erros em outros artigos de filosofia. A menos que às vezes aprendamos verdades filosóficas significativas, além das verdades sobre os erros de outros filósofos, é difícil justificar a quantidade de esforço investido na atividade.

Mas, novamente, quando um filósofo promove teses filosóficas importantes e substantivas, ele geralmente está errado. Na medida em que persuadindo as pessoas, elas estarão piorando a compreensão das coisas que realmente importam.

Caso você pense que tudo isso é radicalmente diferente da pesquisa científica, que presumivelmente avança nosso conhecimento o tempo todo, dê uma olhada neste famoso artigo de John Ioannidis, que explica por que a maioria dos resultados de pesquisas científicas publicadas é falso. Por exemplo, na maioria das vezes, quando alguém tenta replicar um resultado publicado, não consegue.

e) Distração

Aqui está outra razão pela qual a pesquisa pode ter um valor negativo: a pesquisa de qualidade baixa a média dificulta a pesquisa da mais alta qualidade.

Imagine que há uma pilha de feno com algumas agulhas. As pessoas gostam de encontrar as agulhas. Se você adicionar um monte de feno à pilha, estará piorando as coisas. Cada feno que não é uma agulha dificulta a localização das agulhas.

Da mesma forma, cada artigo medíocre torna mais difícil encontrar os melhores artigos. Como já existem mais artigos de alta qualidade do que qualquer um poderia ler em sua vida, não há necessidade de adicionar nada além de artigos de alta qualidade à pilha. Mas é claro que a maioria dos novos artigos que as pessoas escrevem estão apenas na média, e não são de alta qualidade. Portanto, não há razão para adicioná-los à pilha.

3. A função econômica da pesquisa

Se um alienígena aparecesse e olhasse para esse sistema, acharia tudo isso muito estranho. Por que temos centenas de milhares de pessoas das mais talentosas todos os anos gastando seu tempo produzindo milhões de artigos mal escritos, sobre tópicos sem importância, que ninguém quer ler? Talvez os professores estejam fazendo isso porque são pagos ou se divertem. Mas como na Terra há dinheiro para contratar todas essas pessoas para fazer isso?

Parte da resposta é que o governo subsidia universidades. Mas essa realmente não é a resposta principal. Os principais subsídios são empréstimos e subsídios para estudantes, o que explica por que temos muito ensino, mas na verdade não explica por que estamos fazendo tanta pesquisa. Por que não cortar custos contratando apenas instrutores e auxiliares, que recebem uma fração do que o corpo docente ganha e faz o dobro do ensino? As universidades devem pensar que estão obtendo algo realmente importante de toda essa pesquisa. O que seria?

A resposta é prestígio. As universidades de prestígio são as que têm o melhor “corpo docente”, o que significa os pesquisadores mais conhecidos, aqueles cujo trabalho está sendo discutido por outros pesquisadores. As universidades se preocupam com o prestígio, porque os estudantes querem frequentar a universidade de maior prestígio possível. Em termos de modelo de sinalização da educação, poderíamos explicar isso dizendo que ir a uma universidade de ponta sinaliza que alguém é extremamente inteligente e trabalhador.

Portanto, se uma universidade contrata professores melhores, talvez possa, por um longo período de tempo, aumentar seu prestígio, o que atrai mais alunos a se inscrever, o que significa que pode selecionar alunos mais inteligentes, o que significa que seus graduados são mais inteligentes, o que aumenta o prestígio da universidade e também permite à universidade atrair melhores professores. É um ciclo de feedback positivo.

Portanto, o objetivo de uma pesquisa é levar as pessoas a falar sobre essa pesquisa. A literatura é um monte de intelectuais todos clamando por atenção.

O prestígio é diferente da maioria dos produtos. É um bem posicional, e é de soma zero. As universidades geralmente medem o prestígio por classificações, como esta, amplamente consultada em filosofia:

A quantidade total de bens relacionados à classificação é fixa. Se ajudo meu departamento a subir no ranking, isso é por definição, às custas de outros departamentos.

Do ponto de vista da sociedade em geral, os recursos gastos em busca de prestígio são desperdiçados. Se todos gastassem metade dos recursos tentando obter prestígio, as classificações permaneceriam inalteradas e a quantidade total de prestígio seria a mesma.

4. Irei parar? Não é uma possibilidade.

Como posso continuar falando sobre como não precisamos de toda essa pesquisa, quando eu próprio já contribuí mais do que devia para as montanhas da pesquisa filosófica contemporânea que quase ninguém lê? Dado tudo o que eu disse acima, você pode pensar que eu deveria parar de empilhar.

Claro que não tenho intenção de interromper a pesquisa filosófica. Vou continuar produzindo artigos e livros até ficar muito fraco para digitar. Existem algumas razões para isso:

  1. Tudo o que você pensa sobre as observações acima, ainda mantém a situação de que serei apreciado e recompensado individualmente por produzir mais publicações.
  2. Adoro filosofia e gosto de escrever e comunicar ideias interessantes a outras pessoas e de uma maneira clara. Por exemplo, este blog não ganha dinheiro ou prestígio acadêmico. É apenas para comunicar ideias às pessoas.
  3. Minha pesquisa é incomum, pois na verdade agrega valor ao corpo da literatura existente, porque é melhor do que quase todas as outras pesquisas. Em particular, porque é basicamente verdade. Também é razoavelmente bem escrita. É geralmente sobre coisas importantes e interessantes.

Meus livros estão realmente entre os 500 melhores livros já escritos? Bem, não para todos os leitores, é claro. Mas para uma parcela significativa de leitores, sim, eles estão.

Com isso, remeto para minha lista de livros.

Notas

[1] Há muitos anos li que o Philosopher’s Index, que indexava a maioria dos livros e artigos em inglês publicados em filosofia, recebia mais de 14.000 novos registros por ano. Hoje, uma pesquisa no Philpapers.org, que novamente indexa a maioria dos artigos e livros de filosofia do idioma inglês (incluindo alguns artigos não publicados), encontra 614 registros adicionados na semana passada contendo as palavras “a”, “the”, “of” , ou “is” (restrito apenas a autores profissionais).