por Michael Huemer

[ World’s Longest Running Scam: The Academy – Tradução de Giácomo de Pellegrini ]

Às vezes, sinto como se minha profissão fosse uma farsa gigante. Não quero dizer que não estamos fazendo nada de valor. Quero dizer que o que as pessoas pensam que estamos fazendo, o que explica por que nos pagam tanto, não é o que realmente estamos fazendo. E, quando penso nisso, às vezes me pergunto quanto tempo levará para o mundo perceber, parar de nos dar toneladas de verbas e quando a maioria de nós terá que buscar por empregos reais. Isso pode ser bom para a sociedade, mas espero que isso não aconteça antes de me aposentar.

O que as pessoas pensam que estamos fazendo

Entendo que o que a maioria das pessoas pensa que a academia está fazendo é principalmente:

(i) ensinar aos alunos habilidades e informações valiosas de que precisam para sobreviver na vida, fazer seu trabalho e/ou ser bons cidadãos; além disso, em menor grau;

(ii) realizar pesquisas que produzam novos conhecimentos de valor para a sociedade.

Isso parece muito bom. E essa impressão é apoiada por acadêmicos e outros intelectuais. Como os intelectuais da sociedade geralmente gostam da academia, usamos nossas habilidades intelectuais para criar uma propaganda inteligente e que soa bem sobre o quão impressionante é a educação. Como este slogan: “Acha que a educação é cara? Tente a ignorância.” Isso faz com que a maioria da sociedade pense que a educação deve ser realmente ótima, já que todos os especialistas pensam assim. (Exceções para as obras Cracks in the Ivory Tower de Jason Brennan e The Case Against Education de Bryan Caplan. Esses acadêmicos mordem a mão que os alimenta.)

Geralmente decidimos ignorar evidências contra nossa narrativa preferida. Como as únicas pessoas capazes de reunir essas evidências são outros acadêmicos, que compartilham o mesmo viés, geralmente estamos seguros.

Além disso: aqui está algo que gostamos de fazer em filosofia: citamos estatísticas sobre os ganhos dos cursos de filosofia, pós-graduação – que acabam sendo muito bons, em comparação com a maioria dos cursos. Em seguida, declaramos ou deixamos implícito que a filosofia melhora seu potencial de ganhos. Ironicamente, a filosofia deve ensiná-lo a criticar esse tipo de raciocínio. (Já ouviu falar de uma pequena distinção entre “efeitos de tratamento” e “efeitos de seleção”? Acho que talvez esse seja um tópico mais científico, então os filósofos podem não entender.)

Enfim, acho que o exposto [funções (i) e (ii)] explica parte do motivo pelo qual a sociedade canaliza tanta verba para a academia.

Os alunos e seus pais gastam muito dinheiro, é claro, porque pensam, corretamente, que um diploma universitário aumenta seu potencial de ganhos. Eles também pensam incorretamente que isso funciona pela faculdade ensinando habilidades importantes.

Ainda mais claramente, o governo canaliza verba para o ensino superior, com o apoio do público, porque acredita que a academia está realizando muitos (i) e (ii). Quando eles finalmente descobrirem que isso não é verdade, o que acontecerá com a academia?

O que estamos realmente fazendo

Aqui está o que realmente estamos fazendo.

a. Administrando um teste de QI e personalidade muito longo e muito caro. As pessoas que se formam em uma universidade “boa” demonstram, assim, sua inteligência, perseverança e vontade de seguir instruções tediosas de outras pessoas sem reclamar – todas características valiosas para um local de trabalho. Na maioria das vezes, não damos às pessoas essas características; simplesmente filtramos as pessoas que não têm.

b. Produzindo prestígio. Harvard não faz um trabalho melhor de ensinar as pessoas do que outras universidades; só tem mais prestígio. É por isso que as pessoas estão dispostas a pagar mais do que por outras universidades. A função econômica da pesquisa acadêmica é produzir prestígio para a universidade do pesquisador – que é “a função econômica” no sentido de que explica por que há verba disponível para pagar por isso.

c. Doutrinando estudantes. Muitos acadêmicos não têm vergonha de injetar sua ideologia pessoal em qualquer lugar que possam. Muitos deles, a propósito, também insistem, sem senso de ironia, que apoiam o pensamento crítico, a abertura a pontos de vista concorrentes, etc. É só que essa abertura, é claro, se aplica apenas a ideias sérias e legítimas – e elas simplesmente não podem perceber nada que desafie os principais pontos de sua ideologia como uma ideia séria e legítima.

d. Atacando a racionalidade. Alguns acadêmicos (não sei quantos – presumivelmente não muitos entre filósofos, mas os pós-modernistas) tentam ativamente minar o pensamento racional. Eles farão coisas como atacar a racionalidade, atacar a objetividade e simplesmente modelar um discurso não-racional. Isto é o oposto da educação.

e. Jogando jogos intelectuais uns com os outros. Isso é basicamente o que pesquisamos. Não é literalmente um jogo, mas um jogo é a melhor metáfora: uma diversão inofensiva, cujo principal objetivo é entreter os participantes. Como um bando de cabeças cerradas sentadas por aí jogando um jogo de xadrez gigante e coletivo (apenas não há um ponto final definido). As pessoas que são boas nisso atraem atenção e admiração dos outros jogadores. Os jogadores mais emocionantes fazem movimentos surpreendentes que se tornam defensáveis ​​- você sabe, como um sacrifício dramático da rainha. E é assim que constroem a moeda do mundo acadêmico, prestígio. Se você acumular o suficiente, outras equipes podem tentar contratá-lo, com um grande bônus salarial.

A maior parte da pesquisa é escrita exclusivamente para os outros pesquisadores e nunca será lida e nunca fará diferença para ninguém. (De fato, a maioria mal será lida mesmo por outros pesquisadores.) Se você tentasse descrever para alguém fora do jogo, mesmo para alguém com muitos interesses intelectuais, geralmente esse alguém consideraria inútil. Por exemplo, alguém dedicando um ano de ensino para poder estudar as atitudes dos espanhóis do século XVI em relação às plantas na Península Ibérica.

Agora, é claro, há muita pesquisa que é realmente interessante e importante. Por exemplo, algumas pessoas estão tentando curar o câncer, ou […] revelar as injustiças no sistema jurídico americano. Mas acho que essa é uma pequena minoria de todas as pesquisas.

Quando esse castelo de cartas entrará em colapso?

Essa é uma grande fraude que conseguimos fazer com o resto da sociedade, mas não sei quanto tempo podemos mantê-la. Certamente o segredo será revelado e o país vai parar de despejar verba em nossa indústria? Por outro lado, isso vem acontecendo há muito tempo, então talvez seja estável pelos próximos séculos?

Acho que as pessoas pensam que precisam me pagar muito dinheiro, porque tenho um conhecimento misterioso que só estou disposto a transmitir se me derem muito dinheiro e segurança no emprego e muito tempo para ficar lendo e escrevendo. Estou apenas esperando que a sociedade descubra que não tenho nenhum conhecimento ou habilidade. Tudo o que sei que posso ensinar em uma classe é conhecimento disponível ao público. Tudo ou quase tudo você pode obter gratuitamente se tiver uma conexão com a Internet ou um carteirinha de biblioteca.

Acho que talvez exista um pouco de bônus educacional por poder falar comigo pessoalmente […] mas, na verdade, muito poucos estudantes realmente aproveitam essa oportunidade. Na verdade, eles não querem o benefício que lhes custa todo esse dinheiro extra.

Agora, é claro que sabemos por que os alunos estão frequentando a universidade e não apenas aprendendo na internet. Eles querem o prestígio, não o conhecimento. Eles querem sinalizar inteligência, perseverança e conformidade. Então talvez eu não tenha motivo de preocupação. Não importa que eu não tenha nenhum conhecimento secreto.

Mas ainda me preocupo que algum empreendedor de tecnologia descubra como produzir o mesmo produto (uma vez que reconheça o que o produto realmente é) a um custo muito menor – tipo, ordens de magnitude inferiores. Talvez exista um longo curso de estudos que você possa concluir, realizando um trabalho totalmente classificado por computador, para que nenhum professor precise ser contratado, e a empresa apenas certificará que você o concluiu com algum nível de desempenho intelectual. Não entendo por que algo assim não substituiu quase todo o ensino superior.

Convidando ao colapso

Não sei se como ou quando as universidades seguirão o caminho dos jornais. Mas se isso acontecer, acho que será ajudado pelas práticas (c) e (d) acima, doutrinação e ataque à racionalidade. Suspeito que estamos atirando nos pés com isso.

Não acho que a doutrinação funcione muito bem. Acho que a maioria dos alunos apenas aprende o que o professor quer ouvir e depois esquece assim que a aula termina. Mas acho que consegue irritar o segmento da sociedade que discorda da ideologia. Que, de fato, é pelo menos metade do país. Quando lamentamos a tendência anti-intelectual do conservadorismo, devemos considerar o modo como os intelectuais têm descartado as ideias conservadoras e propagandeado descaradamente a ideologia de esquerda. É claro que os conservadores se tornariam anti-intelectuais. Quanto tempo levará até que os republicanos introduzam legislação para interromper o apoio do governo à educação?

Suspeito que (c) e (d) também estejam minando o poder de geração de prestígio da academia. Porque criam a impressão de que alguém pode ter sucesso acadêmico simplesmente seguindo uma linha ideológica – e pode falhar simplesmente recusando-se a fazê-lo. E não é para isso que os empregadores estão tentando selecionar. Eles procuram pessoas inteligentes, trabalhadoras e persistentes – não meros ideólogos. Se os acadêmicos forem longe demais, prejudicaremos o valor econômico dos diplomas universitários – estamos atravessando esse momento.

Agora, quem me conhece sabe que não tenho problemas com o ensino de direito. Meu problema é com a advocacia injusta ou irracional. Acho bom dizer: “Acho que essa ideia conservadora (ou liberal) está errada. Deixe-me dizer por que […]” seguido por alguns argumentos e evidências lógicas. Mas isso deve acontecer depois que você tiver apresentado a ideia o mais fielmente possível, explicando de maneira justa o que seus proponentes diriam a seu favor. Isso normalmente envolve a leitura de textos que promovam essa ideia de forma clara e forte. O professor deve tentar modelar um discurso cuidadoso e fundamentado sobre o tema, ponderando os motivos de ambos os lados.

Obviamente, é inaceitável tentar intimidar ou punir as pessoas por acreditarem em uma ideia controversa. Finalmente, é obviamente inapropriado injetar pontos ideológicos em uma classe para a qual não exista relevância. Por exemplo, um professor não deve injetar suas opiniões sobre o atual presidente, a menos que o tópico da classe realmente exija discussão sobre isso.

Seria ótimo se os professores adquirissem uma reputação de serem justos, argumentadores objetivos, pessoas que tentam entender seu ponto de vista antes de ajudá-lo a melhorar seu próprio entendimento. Talvez isso faça com que o resto da sociedade nos mantenha por um pouco mais de tempo. Infelizmente, isso está longe de ser a forma como realmente somos vistos.