por Michael Huemer

[ Chapter 12: War and Societal Defense – Tradução de Giácomo de Pellegrini ]

Capítulo 12: Guerra e defesa da sociedade

12.1 O problema da defesa da sociedade

Idealmente, todos os seres humanos viveriam sem Estados-nação ou exércitos nacionais, para que não houvesse necessidade de defesa nacional. Mas não se pode esperar que esse feliz estado de coisas aconteça de uma só vez; devemos assumir um período de transição em que uma sociedade anarquista coexista com sociedades dominadas pelo Estado. Os dois tipos de sociedade poderiam coexistir, ou uma inevitavelmente sobrepujaria a outra?

Uma suposição natural é que, se um país tiver um exército mais poderoso que seus vizinhos ou todos os seus inimigos em potencial, então o país estará seguro, enquanto que se tiver nenhum exército ou um muito mais fraco, estará inseguro. Desse ponto de vista, uma sociedade anarquista parece enfrentar um problema óbvio. As forças militares modernas são extremamente poderosas e extremamente caras. Um único porta-aviões, por exemplo, custa cerca de US$ 4,5 bilhões, mais US$ 240 milhões por ano em manutenção.1 Em 2010, os Estados Unidos gastaram quase US$ 700 bilhões nas forças armadas. Para comparação, a empresa norte-americana mais lucrativa naquele ano, a Exxon Mobil, teve lucros de US$ 19 bilhões.2 É certo que os Estados Unidos são um país extremo, com 43% das despesas militares do mundo inteiro.3 No entanto, a maioria dos países gasta centenas de milhões ou bilhões de dólares em suas forças militares todos os anos. É difícil imaginar qualquer organização não-governamental competindo com um governo nessa arena – em parte porque nenhum outro tipo de organização tem o tipo de recursos à sua disposição como um governo que pode exigir e em parte porque a defesa militar é um bem público cuja provisão, na ausência de algum mecanismo coercitivo, aparentemente exigiria sacrifício altruísta por parte daqueles que pagam por isso. Como resultado, parece improvável que uma sociedade anarquista possa manter algo parecido com as forças militares típicas dos governos modernos. Por essas razões, os membros de uma sociedade anarquista não podem esperar derrotar um exército governamental em combate aberto, nem poderiam, como os governos costumam fazer, travar uma guerra agressiva contra outro país.

Mas o foco no poder militar relativo pode ser mal direcionado, por duas razões. Primeiro, os requisitos para uma defesa efetiva podem ser mais modestos que os requisitos para uma agressão efetiva, e os gastos militares da maioria dos governos modernos podem ser muito maiores do que uma defesa exige. Segundo, como no caso das relações interpessoais, a estratégia de evitar conflitos armados pode ser mais importante do que a tentativa de vencer conflitos armados.

Meu objetivo a seguir não será mostrar que uma sociedade anarquista poderia sobreviver em todo e qualquer clima político. Meu objetivo será mostrar que uma sociedade anarquista poderia sobreviver em algumas condições realistas, condições que são obtidas em algumas partes do mundo ou que se poderia razoavelmente esperar obter no futuro. É de se esperar que também haverá muitas outras condições realistas sob as quais um sistema anarquista não sobreviveria.

12.2 Defesa não-governamental

12.2.1 Guerra de guerrilha

A caracterização acima do problema de defesa sugere que a defesa bem-sucedida requer poder militar comparável ou maior que o oponente. No entanto, os guerrilheiros têm provado o contrário sobre essa suposta exigência de vitória militar em vários conflitos do século XX, durante os quais forças militares avançadas foram derrotadas por oponentes muito mais fracos.

O caso paradigmático é o do Vietnã, que expulsou os colonialistas franceses em 1954. Os Estados Unidos assumiram a responsabilidade de combater a disseminação do comunismo, apoiando o governo anticomunista e autoritário do Vietnã do Sul em sua disputa contra o governo comunista do Vietnã do Norte e os insurgentes comunistas no Vietnã do Sul. O envolvimento americano começou com conselheiros militares, mas se transformou em guerra direta em meados do final da década de 1960, quando centenas de milhares de tropas americanas se comprometeram a combater os insurgentes vietcongues no sul.4 Em termos de recursos militares e econômicos, os Estados Unidos eram muito superiores aos vietcongues e, ainda assim, ano após ano, as forças americanas se mostraram incapazes de subjugar seus oponentes, até que os Estados Unidos finalmente reconheceram a derrota e retiraram todas as forças do país em 1973. A nação mais poderosa do mundo havia sido derrotada pelos rebeldes de uma pequena nação do Terceiro Mundo. A derrota se deveu em parte à dificuldade inerente de combater as táticas de guerra de guerrilha e em parte ao fato de que os vietnamitas estavam muito mais profundamente comprometidos do que os americanos em controlar o destino do Vietnã.5

Este não foi um episódio isolado; vários conflitos do século XX forneceram lições semelhantes. A Grã-Bretanha governou a ilha da Irlanda até 1919, quando nacionalistas irlandeses declararam independência e começaram uma campanha de guerrilha contra os britânicos. Nos dois anos seguintes, os britânicos travaram uma guerra mal sucedida contra os rebeldes, culminando no tratado que estabeleceu o Estado Livre Irlandês em 1922.6
Os franceses governaram a Argélia antes de 1954, quando os nacionalistas argelinos começaram uma guerra de guerrilha pela independência, que continuou por vários anos. Apesar de alguns sucessos militares, os franceses finalmente não tinham o grau de comprometimento dos rebeldes, e o presidente francês Charles de Gaulle concordou em submeter a questão da independência aos votos populares em 1961 e 1962, resultando na independência da Argélia em 1962.7

Em 1979, a União Soviética enviou forças militares ao Afeganistão para defender o governo comunista de lá contra os guerrilheiros mujahideen. Nos nove anos seguintes, os soviéticos foram incapazes de prevalecer contra os mujahideen. Os soviéticos desistiram e se retiraram em 1988. O governo afegão caiu posteriormente para os rebeldes em 1992.8

Em cada um desses casos, os rebeldes estavam lutando em defesa de sua terra natal contra o que viam como agressores estrangeiros. Nos casos do Vietnã e do Afeganistão, os guerrilheiros também tiveram apoio de governos estrangeiros. Mas, mesmo tendo em conta esse apoio, os guerrilheiros eram muito mais fracos que seus oponentes pelas medidas tradicionais em cada um desses conflitos. Os Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e União Soviética foram quatro das nações mais poderosas da história mundial. Portanto, se eles puderam ser derrotados por guerrilheiros lutando em defesa da sua terra natal, qualquer nação que contemple uma guerra de conquista nos tempos modernos deve antecipar enormes dificuldades no controle do território ocupado. Isso é ainda mais verdadeiro em territórios, como na maioria dos Estados Unidos atuais, onde uma grande porcentagem da média de cidadãos está armada para começar.9

12.2.2 A dificuldade de conquistar um território não governado

Sob um aspecto, conquistar uma sociedade anarquista seria mais difícil do que conquistar um Estado-nação. Para conquistar um território que já é governado, o agressor deve convencer o governo existente a se render, o que geralmente pode ser feito atacando ativos militares fixos do governo ou matando membros suficientes da população. Quando o governo se render, o aparato desse mesmo governo poderá ser cooptado para controlar a sociedade em nome de seus novos governantes.

Por outro lado, a tarefa de assumir o controle de uma sociedade não-governada é mais complexa. Na ausência de qualquer estrutura de autoridade central, a sociedade deve ser conquistada um bairro de cada vez. Para controlar cada bairro, o agressor precisará posicionar tropas no bairro ou contratar o equivalente à polícia da população local. É provável que qualquer uma das opções seja cara e, em ambos os casos, os responsáveis ​​pela imposição dos conquistadores provavelmente serão alvos frequentes de ataques de guerrilha. Além disso, se o Estado conquistador desejar, em última análise, governar o povo conquistado, precisará estabelecer todo o aparato do governo.

Um agressor determinado e rico poderia, no entanto, estabelecer governo sobre uma sociedade inicialmente não governada. Mas a tarefa de fazer isso provavelmente será mais cara e demorada do que a de dominar uma sociedade que já tem um governo, mas tem um exército fraco. Como existem muitas sociedades que satisfazem a última descrição, uma sociedade anarquista provavelmente não será o alvo mais atraente para um regime expansionista.

12.2.3 Resistência não-violenta

A priori, pode parecer que a força só pode ser combatida com maior força. Como os governos comandam maior poder coercitivo do que qualquer outro agente, pode parecer que a única defesa eficaz contra um governo é outro governo. No entanto, vários episódios históricos ao longo do século passado revelaram a surpreendente eficácia de métodos não-violentos de resistência à tirania e à injustiça, demonstrando que mesmo quando a injustiça é coercivamente imposta, a violência não é a única, e talvez nem a solução mais eficaz.

O caso mais conhecido é o da luta indiana pela independência da Grã-Bretanha, liderada por Mohandas Gandhi. As táticas de Gandhi incluíam greves de fome; marchas e manifestações; boicotes a mercadorias, escolas e tribunais britânicos; desobediência civil, incluindo recusa de pagar impostos; greves trabalhistas; e ostracismo social dos indianos que colaboravam com os britânicos. Embora a independência indiana estivesse demorando muito tempo, acabou sendo conquistada com um mínimo de derramamento de sangue (em relação aos casos discutidos na Seção 12.2.1), graças em grande parte aos esforços do Mahatma. Isso ocorre apesar do fato dos britânicos, pelo menos no início, demonstrarem uma disposição consideravelmente maior de recorrer à violência do que os seguidores de Gandhi.10

Outro caso bem conhecido é o do movimento americano pelos direitos civis das décadas de 1950 e 1960. Sob a liderança de Martin Luther King Jr. e outros, o movimento se baseou em táticas não-violentas como protestos, boicotes e marchas. Ativistas de direitos civis frequentemente enfrentavam violência nas mãos da polícia local, do Ku Klux Klan e de outros oponentes da integração racial. Milhares de ativistas foram presos, muitos foram espancados e vários líderes de direitos civis, incluindo o Dr. King, foram assassinados. Apesar disso, o movimento permaneceu predominantemente não-violento e, finalmente, triunfou sobre seus oponentes mais violentos, vendo a aprovação da maior legislação de direitos civis em meados da década de 1960, juntamente com mudanças drásticas na cultura e na sociedade americanas.11

No final do século XX, várias nações, incluindo as repúblicas soviéticas e os países satélites da Europa Oriental, alcançaram a independência da União Soviética por meios predominantemente não-violentos (com exceção da Romênia, onde a transição foi mais violenta do que nas outras nações). O processo começou na Polônia em 1980, quando os trabalhadores formaram um sindicato nacional conhecido como Solidariedade. O Solidariedade rapidamente se tornou uma ferramenta para defender reformas políticas e econômicas. O governo tentou esmagá-lo proibindo o sindicato e prendendo milhares de seus membros, mas o movimento persistiu. Eventualmente, o governo desistiu de eliminar o Solidariedade. O sindicato empunhava persistentemente a ferramenta não-violenta da greve trabalhista para tentar forçar reformas. Em 1989, o governo finalmente se curvou à pressão e iniciou negociações com representantes do Solidariedade, durante as quais o governo concordou em permitir eleições livres nas quais os candidatos do Solidariedade pudessem concorrer com alguns dos candidatos comunistas. Embora as pesquisas previssem vitória para os comunistas, no evento o partido comunista sofreu uma derrota esmagadora, perdendo cada assento que estava disponível na legislatura. Outras derrotas estavam por vir, libertando a Polônia do domínio comunista.12

Em agosto de 1991, comunistas de linha dura na União Soviética, tentando deter a maré da reforma iniciada pelo presidente Gorbachev, fizeram Gorbachev prisioneiro e lançaram um golpe de Estado. Boris Yeltsin, então presidente da Rússia, enfrentou os líderes do golpe em Moscou com a ajuda de dezenas de milhares de manifestantes civis que se reuniram ao seu redor na Casa Branca Russa. O golpe fracassou, devido em parte ao apoio civil dedicado a Yeltsin, em parte à opinião dividida entre os militares e em parte à recusa das forças especiais soviéticas em executar ordens para atacar a Casa Branca. Logo após o golpe fracassado, embora Gorbachev tenha sido nominalmente restaurado ao poder, a União Soviética se desfez, à medida que os Estados membros (aqueles que ainda não o haviam feito) declaravam independência. Tudo isso ocorreu, surpreendentemente, com um mínimo de derramamento de sangue. No caso da Estônia, a independência foi alcançada sem derramamento de sangue.13

Mais recentemente, o antigo presidente egípcio Hosni Mubarak foi expulso do cargo como resultado de um movimento de protesto predominantemente pacífico. Por 30 anos, Mubarak liderou um regime corrupto e ditatorial no Egito, até que os manifestantes, enfurecidos pela recente brutalidade policial e encorajados pela revolução tunisiana de 2010–11, saíram às ruas no início de 2011 para exigir a renúncia de seu governante. Os protestos foram tão generalizados que Mubarak logo deixou o cargo, muitos outros membros de seu governo renunciaram ou foram demitidos, e a maioria das outras demandas de manifestantes foram atendidas. As eleições parlamentares foram realizadas a partir de novembro, com a eleição presidencial marcada para 2012. Até o momento em que este artigo foi escrito, o futuro do Egito permanece incerto; mesmo assim,o súbito colapso de uma administração que durou 30 anos é um testemunho do poder da resistência não-violenta.

Prima facie, episódios históricos como esses podem parecer intrigantes. Como pode um governo nacional, com estoques maciços de armamentos e dezenas ou centenas de milhares de soldados, ser derrotado por civis desarmados e pacíficos?

A explicação está na natureza do poder do governo. O presidente Mao Tse-tung é frequentemente citado como tendo dito que “o poder político cresce do cano de uma arma”.14 Mas isso é apenas parte da verdade. O poder político vem fundamentalmente do povo sobre quem é exercido. Embora os governos exerçam enorme poder coercitivo, eles não possuem recursos suficientes para aplicar diretamente a força física a todos ou à maioria dos membros de uma sociedade. Devem ser seletivos, aplicando sua violência a um número relativamente pequeno de infratores da lei e contando com a grande maioria da população para se alinhar, seja por medo ou por crer na autoridade do governo. A maioria das pessoas deve obedecer à maioria dos comandos do governo; deve, no mínimo, trabalhar para fornecer bens materiais aos líderes, soldados e funcionários do governo, para um governo persistir.

Quando uma injustiça é suficientemente grande e óbvia, muitas vezes surgem um grande número de manifestantes dispostos a desafiar o Estado, apesar da ameaça de repressão. Em resposta, os governos tirânicos geralmente recorrem à violência. No entanto, essa violência geralmente sai pela culatra, legitimando os manifestantes e deslegitimando o Estado aos olhos de agentes anteriormente não envolvidos. Isso pode ter o efeito de expandir, em vez de suprimir a resistência. Eventualmente, o Estado pode perder a fonte de seu poder, a cooperação da maioria dos cidadãos.15 No caso de um governo tentar controlar um território estrangeiro, seria necessário enviar enormes recursos domésticos para o território estrangeiro na tentativa de manter o controle, minando assim, um dos principais objetivos da busca de um território estrangeiro, o de lucrar com a extração de recursos.

Isso não é para incentivar um otimismo poliana sobre ações não-violentas. A resistência não-violenta alcançou alguns sucessos dramáticos, mas também fracassou frequentemente, como no caso dos pequenos bolsões de resistência não-violenta aos nazistas na Alemanha ou aos protestos de 1989 na China. O mesmo se aplica a todas as formas de resistência: a resistência violenta também falha frequentemente, e mesmo a resistência violenta de um governo (isto é, guerra) geralmente falha em alcançar seus objetivos. O que os episódios históricos que mencionei mostram é que a ideia de combater um governo coercitivo por meios não-violentos não é apenas um ideal ingênuo. De fato, essa forma de resistência costuma ser mais eficaz e quase sempre muito menos onerosa que a resistência violenta.

12.2.4 Conclusões

Nenhum dos casos históricos mencionados nesta seção apresenta uma sociedade anarquista que resiste a um Estado estrangeiro hostil. Isso ocorre principalmente porque existem muito poucas sociedades anarquistas e nenhuma seguindo o modelo anarcocapitalista. No entanto, como vimos, houve muitos casos de resistência bem-sucedida por parte dos cidadãos aos governos, incluindo governos impostos por Estados estrangeiros. O movimento de descolonização do século XX mostra que é particularmente difícil para um Estado estrangeiro manter o controle de um território nos tempos modernos. Não há razão óbvia para que membros de uma sociedade anarquista não pudessem resistir aos agressores estrangeiros de maneira tão eficaz quanto membros de sociedades reais de fato resistiram a potências estrangeiras e tiranos domésticos no passado recente.

Não há garantia de sucesso; uma anarquia pode ser assumida por um governo estrangeiro. Mas isso também se aplica às sociedades governadas – de fato, sociedades de todos os tipos conhecidos de governo foram assumidas por governos estrangeiros. Ninguém argumenta que isso demonstra que o governo é impraticável. O fato de que o mesmo destino possa acontecer em uma anarquia, portanto, não mostra que a anarquia seja impraticável. A anarquia seria impraticável se não houvesse meios de defesa plausíveis, mas a evidência é de que não é assim; uma sociedade não ficaria sem meios plausíveis de resistência apenas em virtude da falta de um exército governamental.

12.3 Evitando conflitos

Na última seção, discuti maneiras de resistir a uma potência estrangeira, uma vez que a sociedade foi dominada ou está sob ataque. Mas essa não é a melhor maneira de uma sociedade manter sua liberdade. A melhor maneira de uma sociedade manter sua liberdade é evitar conflitos violentos para começar.

Para avaliar as perspectivas de evitar conflitos violentos entre sociedades, devemos primeiro identificar as causas mais prováveis ​​de conflitos desse tipo. A melhor maneira de identificar as causas prováveis ​​da guerra no futuro é examinar o que geralmente causou a guerra no passado. É concebível que as sociedades anarquistas possam se envolver na guerra por razões diferentes daquelas que levaram as sociedades controladas pelo governo à guerra; no entanto, a melhor evidência que temos sobre o motivo pelo qual uma sociedade, seja anarquista ou estatista, pode se envolver em guerra, não obstante, reside no registro histórico da guerra real. Portanto, começaremos com esse registro.

Muitos teóricos que consideraram as causas da guerra tentaram identificar algum fator mais importante. A verdade, no entanto, é provavelmente mais complexa: vários fatores contribuem para o risco de guerra, sem que nenhum fator predomine em todos os casos.16 Aqui, reviso alguns dos fatores mais importantes.

12.3.1 Agressão humana natural

Alguns acreditam que os seres humanos são naturalmente agressivos e que essa agressão natural explica a propensão humana à guerra. A agressividade natural da humanidade às vezes é apoiada por argumentos da etologia ou da psicologia evolutiva.17

Uma forma extrema dessa tese (talvez não seja de fato sustentada por qualquer pensador proeminente)18 seria que a guerra frequente é inevitável por causa da agressão inerente à natureza humana. Esta tese é claramente falsa. O antropólogo Douglas Fry lista mais de setenta sociedades que não fazem guerra, principalmente tribos primitivas.19 Entre os Estados-nação modernos, a Suíça não lutou com outro país desde que o famoso princípio da neutralidade suíça foi formalmente estabelecido em 1815. Sua última guerra foi uma guerra civil em 1847; durou 25 dias e matou menos de 100 vidas.20 Gerações de suíços nunca conheceram a guerra, apesar de estarem cercados por países em guerra durante as duas guerras mundiais. Liechtenstein dissolveu seu exército em 1868 e também permaneceu em paz desde então. A Cidade do Vaticano nunca esteve em guerra. A Costa Rica aboliu suas forças armadas em 1948 e está em paz desde então. E apesar de toda a violência do século XX, o mundo como um todo experimentou um longo período de uma acentuada tendência de queda nos violentos conflitos entre Estados, sugerindo a possibilidade de novos declínios na taxa de produção de guerra.21

Uma tese mais moderada é que a natureza humana contém uma propensão à agressão que às vezes entra em erupção na guerra, talvez quando certos gatilhos ambientais ocorram.22 Essa tese parece suficientemente fraca e vaga que poucos poderiam objetar a ela (de fato, a tese geral pode simplesmente seguir a observação de que há guerras, juntamente com outros fatos triviais), embora exista espaço para opiniões divergentes sobre o quão difícil é para os seres humanos resistirem a se matarem.

Esta tese moderada, no entanto, é de pouca utilidade para os propósitos atuais. Nosso objetivo é determinar se e como uma sociedade pode evitar a guerra. Se a natureza humana contém uma propensão à agressão, mas essa propensão só entra em guerra sob certas condições, devemos examinar as outras teorias das causas da guerra para determinar quais são essas condições, pois isso parece ser a chave para evitar a guerra (antes de iniciar um programa de engenharia genética para eliminar nossas tendências agressivas).

12.3.2 Terra e recursos

Um dos motivos pelos quais os Estados entram em guerra é o propósito de apreender os recursos e o território uns dos outros.23 A Segunda Guerra Mundial foi iniciada pela invasão de Adolf Hitler na Polônia, motivada pelo desejo de controlar mais território (Lebensraum, como Hitler colocou). A Índia e o Paquistão lutam pelo controle do território da Caxemira desde que a Índia e o Paquistão conquistaram sua independência em 1947.24 A guerra Irã-Iraque foi travada em parte pelo controle do rio Shatt al-Arab, que constitui o principal acesso do Iraque ao Golfo Pérsico e é, portanto, de grande valor econômico para o Iraque. O Iraque também tentou dominar o Khuzestan, a província iraniana rica em petróleo que faz fronteira com Shatt al-Arab.25 A invasão posterior do Kuwait pelo Iraque em 1990 foi ainda mais claramente motivada economicamente, motivada em parte pelas queixas do Iraque por violação do Kuwait das cotas de petróleo da OPEP e em parte pelo puro valor da terra rica em petróleo do Kuwait.26

Se um desejo predatório pela terra e pelos recursos dos outros é a principal causa da guerra, a prevenção da guerra pode parecer quase impossível, independentemente de se ter um Estado-nação ou uma sociedade anarquista. Enquanto uma sociedade anarquista não pode iniciar uma guerra predatória, suas terras e recursos podem fazer com que ela se torne vítima de tais guerras.

Essa conclusão pessimista, no entanto, é prematura. Nem todas as regiões do globo são igualmente propensas a conflitos de terra e recursos. Os conflitos de recursos ocorrem em áreas com concentrações extraordinariamente altas de recursos especialmente valiosos, como as áreas ricas em petróleo do Oriente Médio. Conflitos modernos sobre território geralmente ocorrem em um dentre um número limitado de regiões específicas de disputas territoriais de longa data, particularmente em áreas com um histórico daquilo que pode ser visto como ocupação injusta, áreas nas quais as fronteiras foram traçadas por potências estrangeiras e áreas contendo subpopulações religiosas ou étnicas grandes e mutuamente hostis. Assim, por exemplo, a província de Khuzestan contém subpopulações árabes e persas, e o Shatt al-Arab foi disputado por muito tempo entre o Iraque e o Irã.27 As tensões de longa data da Índia e do Paquistão, que irromperam periodicamente na guerra, remontam a 1947, quando os britânicos concordaram em deixar a região. No processo, os britânicos criaram os Estados da Índia e do Paquistão, mas falharam em estabelecer o alinhamento da Caxemira, que foi deixado para escolher em qual dos dois países se juntaria. A Caxemira tem uma maioria muçulmana, além de uma minoria substancial da população hindu. Também em 1947, as Nações Unidas adotaram um plano para dividir a Palestina, então um território ocupado pelos britânicos com grandes subpopulações judaicas e árabes, em um novo Estado judeu e um Estado árabe. Essa decisão levou à criação de Israel e iniciou o notório conflito árabe-israelense, que periodicamente explode em violência desde 1948.

Essas observações nos permitem fazer algumas previsões sobre a estabilidade de qualquer futura sociedade anarquista. Se essa sociedade fosse criada por nações estrangeiras para a região em que estava localizada, se contivesse grandes grupos étnicos ou religiosos mutuamente hostis e se fosse criada em uma área com uma longa história de conflito, a sociedade anarquista provavelmente se mostrará instável. Estados próximos provavelmente transformariam a sociedade anarquista em um campo de batalha. O mesmo vale para qualquer tipo de sociedade, seja anarquista ou estatista.

À luz de tais considerações, a anarquia é praticamente viável somente sob certas condições, condições que são obtidas em alguns lugares do mundo, mas não em todos. As primeiras sociedades anarquistas de sucesso precisarão ser (i) fundadas por movimentos locais e não impostos por nações estrangeiras, (ii) localizadas em regiões com histórias relativamente pacíficas, e (iii) ocupadas por pessoas com tensões raciais e religiosas mínimas. Sob tais condições, os anarquistas teriam grandes chances de evitar a guerra civil e a guerra com os Estados vizinhos.

12.3.3 Espirais de conflito e disputas entre governos

Raramente, se é que alguma vez, a guerra estourou por causa de uma disputa entre os povos de duas nações, ou entre o governo de uma nação e o povo de outra. O caso usual é que a guerra começa como resultado de uma disputa entre os governos de duas ou mais nações. Estudos em relações internacionais descobriram que o maior determinante do comportamento hostil de um Estado para outro é o comportamento hostil do segundo Estado para o primeiro.28 Um padrão frequente é a espiral de conflitos: um Estado executa uma ação que outro Estado considera hostil. O segundo Estado responde com uma ação hostil própria. O primeiro Estado retalia com outro ato hostil. Essa série de ações e reações cria uma espiral de tensões crescentes. Em cada estágio, há um forte risco de que o nível de hostilidade aumente, seja por causa do aumento da raiva por parte dos líderes ou por causa de diferentes percepções, principalmente quando uma parte percebe sua própria ação como menos hostil que a outra parte percebe que é. A interação, portanto, corre o risco de aumentar até atingir o nível mais alto de hostilidade, o da guerra definitiva.

Nem todas as guerras surgiram de disputas entre Estados; às vezes, um país realiza uma guerra puramente agressiva, na qual o comportamento anterior do governo do outro país é irrelevante. No entanto, isso é muito raro. Quase qualquer guerra, especialmente nos tempos modernos, pode ser usada para ilustrar a ideia de disputa entre governos como causa da guerra. A Primeira Guerra Mundial começou como resultado do assassinato do arquiduque Franz Ferdinand da Áustria. Embora o assassinato não tenha sido oficialmente apoiado pelo governo sérvio, o governo austríaco acreditava (corretamente) que alguns funcionários do governo sérvio estavam envolvidos na conspiração. O conflito austro-sérvio se tornou a semente da guerra em geral. Alemanha, Rússia, França e Grã-Bretanha foram atraídos para o conflito por meio de alianças com outros participantes no conflito. O processo envolveu algumas espirais de conflito em rápida evolução nas quais, entre outras coisas, a mobilização militar de uma nação foi tomada como um sinal de intenções hostis, levando outras nações a mobilizar seus militares.29

A guerra Irã-Iraque, embora em parte uma guerra por território, também foi motivada por interações hostis anteriores entre os governos das duas nações. Até 1969, o Iraque possuía o rio Shatt al-Arab, até que o Irã decidiu unilateralmente mover a fronteira entre as duas nações da margem leste do rio para o meio do rio. O Iraque aceitou a mudança para evitar a guerra com o que era então um vizinho muito mais poderoso. Quando Khomeini assumiu o poder no Irã em 1979, ele começou a pedir aos muçulmanos xiitas no Iraque que derrubassem seu governo, assim como o próprio Khomeini havia feito no Irã. Isso desencadeou uma espiral de conflitos envolvendo esforços de ambos os governos para fomentar a rebelião nos países uns dos outros, levando à invasão do Iraque em 1980.30

Até a Segunda Guerra Mundial, o paradigma de uma guerra de conquista iniciada por um Estado predatório, também foi parcialmente causada pelo comportamento anterior de outros Estados. É amplamente reconhecido que as sementes da guerra foram plantadas 20 anos antes, quando o Tratado de Versalhes foi assinado em 1919.31 As condições punitivas e humilhantes do tratado, incluindo as enormes reparações de guerra que exigiam que a Alemanha pagasse aos vencedores da Primeira Guerra Mundial, causou um ressentimento generalizado e poderoso na Alemanha, ajudando a abrir o caminho para a ascensão de um demagogo que prometeu restaurar o orgulho alemão. Até os observadores britânicos na época da assinatura consideraram o tratado escandalosamente injusto para a Alemanha. John Maynard Keynes resumiu sua opinião sobre o Tratado de Versalhes assim:

A política de reduzir a Alemanha à servidão por uma geração, de degradar a vida de milhões de seres humanos e de privar toda uma nação de felicidade deve ser abominável e detestável – abominável e detestável, mesmo que fosse possível, mesmo que enriquecesse nós mesmos, mesmo que não semeasse a decadência de toda a vida civilizada da Europa.32

Não estou sugerindo aqui que, ao iniciar a Segunda Guerra Mundial, Hitler estava simplesmente buscando vingança por Versalhes; O próprio Hitler foi mais motivado por um impulso megalomaníaco para controlar mais território, assim como o ódio de outras raças. Estou sugerindo, no entanto, que o ressentimento alemão sobre Versalhes permitiu a Hitler subir ao poder.

Como podemos evitar os tipos de disputas entre governos que levam à guerra? Aqui está uma possibilidade: poderíamos eliminar nosso governo. Uma sociedade anarquista seria incapaz de ter o tipo de disputas ou interações hostis que mais frequentemente levaram à guerra, porque faltariam os agentes que as mantêm. Mesmo que alguns indivíduos privados da sociedade anarquista adotassem posições hostis em relação a um governo estrangeiro, seria muito improvável que isso levasse à guerra, pois os governos estrangeiros se sentem muito menos ameaçados por indivíduos hostis do que por governos hostis. Se eu, como indivíduo particular, convocar dissidentes no Iraque a derrubar o governo, o Iraque não invadirá meu país. Se eu declarar que meu objetivo é esmagar o governo russo, que me recuso a negociar com russos e que me recuso a falar com o governo russo, é muito menos provável que isso leve à guerra (ou a qualquer reação do governo russo) do que as mesmas ações empreendidas pelo governo dos EUA.

Isso não quer dizer que a guerra que envolva uma sociedade anarquista seja impensável. É simplesmente dizer que é menos provável que uma sociedade anarquista se envolva em conflitos do que uma sociedade dominada pelo Estado. Enquanto o Estado se declara orgulhosamente nosso único grande protetor contra um mundo hostil, é esse mesmo protetor acima de tudo que torna o mundo hostil para começar.

12.3.4 Relações de poder

As nações geralmente disputam a posição do poder dominante em sua região ou no mundo. Mudanças nas relações de poder relativo entre as nações mais poderosas de uma região são particularmente perigosas. Quando o poder do país dominante está em declínio e o poder de outra nação está em ascensão, o poder em ascensão pode tentar tomar a posição dominante iniciando uma guerra com a nação dominante.33 Como alternativa, a nação dominante pode decidir que deve atacar o poder ascendente antes que este se torne muito poderoso, para impedir que esta nação ocupe a posição dominante.34

A Primeira Guerra Mundial foi interpretada por diferentes observadores como um exemplo de cada um desses padrões. Na primeira interpretação, a Grã-Bretanha era o poder dominante na Europa, a Alemanha o poder crescente e a Alemanha iniciou a guerra para desafiar o domínio britânico.35 Na segunda interpretação, a Alemanha era a potência dominante na Europa continental, a Rússia era a potência em ascensão e a Alemanha iniciou uma guerra com a Rússia antes que os russos pudessem se tornar poderosos demais.36 É certo que foi a invasão austríaca da Sérvia que iniciou mais diretamente a Primeira Guerra Mundial; A Áustria, no entanto, agiu com o encorajamento e prometeu o apoio militar da Alemanha, sem o qual teria medo de prosseguir, e as autoridades alemãs na época esperavam uma guerra com a Rússia.37

Interpretações semelhantes foram oferecidas na Segunda Guerra Mundial; mais uma vez, a Alemanha iniciou a guerra, seja para desafiar o domínio britânico38 ou para antecipar a ascensão da Rússia.39

A guerra Irã-Iraque dos anos 80 ilustra novamente o perigo de mudar as relações de poder. Inicialmente, o Irã era muito mais poderoso que o Iraque. É por isso que, quando o Irã reajustou unilateralmente a fronteira entre as duas nações em 1969, o Iraque aderiu ao acordo, em vez de entrar em guerra. Mas em 1980 o poder do Iraque havia aumentado, enquanto o do Irã havia declinado, levando as duas nações, em grosso modo, a uma certa paridade. Foi então que Saddam Hussein sentiu que poderia bancar uma guerra com o Irã. Um dos fatores que motivou a guerra foi provavelmente o desejo de Saddam Hussein de posicionar o Iraque como líder do mundo árabe e poder dominante na região.40

Novamente, uma resposta para o problema é eliminar o governo. O tipo de domínio que os Estados-nação sustentam é em grande parte uma questão de poder militar; é por isso que as nações pensaram em estabelecer ou manter o domínio através da vitória militar. Ao abolir seu governo, uma sociedade se afastaria da disputa pela posição dominante nesse sentido, por duas razões: primeiro, porque a sociedade não possuiria forças militares permanentes; segundo, porque a sociedade não possuiria autoridade central e, portanto, não se comportaria como um agente unitário. Haveria apenas um grande número de indivíduos, empresas, clubes particulares e assim por diante; é provável que nada disso seja considerado um candidato ao domínio junto aos Estados-nação. Como as guerras pelo domínio são normalmente travadas entre o Estado-nação dominante e um desafiante, não haveria razão para uma sociedade anarquista estar envolvida em uma guerra pelo domínio.

12.3.5 A paz democrática liberal

Entre os desenvolvimentos modernos mais importantes da teoria das relações internacionais está o surgimento da tese da paz democrática. Os estudiosos observaram que, embora as ditaduras frequentemente combatam outras ditaduras e as democracias muitas vezes lutem contra as ditaduras, as democracias quase nunca lutam com outras democracias.41 Kant previu esse fenômeno com base teórica em um ensaio de 1795, argumentando que as guerras tendem a ser caras para o povo da nações envolvidas na guerra e, assim, os eleitores tenderão a favorecer o tipo de líder que evita a guerra agressiva. As ditaduras são muito mais propensas a travar guerras agressivas porque as ditaduras não arcam pessoalmente com a maior parte dos custos da guerra.42

O argumento teórico está aberto a desafios. Como a maioria dos eleitores percebe que seus votos individuais não têm impacto real nas políticas de seu país, eles podem votar de forma ignorante ou irracional e podem apoiar líderes agressivos por razões emocionais.43 Alguns também contestam as evidências empíricas da paz democrática, citando uma série de alegadas exceções à regra: a Guerra de 1812 entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha; Primeira Guerra Mundial, durante a qual a Alemanha democrática lutou contra a França e a Grã-Bretanha; Segunda Guerra Mundial, durante a qual a Finlândia democrática se juntou às potências do Eixo; as guerras indo-paquistanesas de 1947 e 1999; e assim por diante.

Apesar dessas críticas, há claramente um fenômeno importante ao redor de uma “paz democrática”. Embora a guerra entre democracias não seja inédita, continua a ser o caso, por qualquer motivo, que há muito menos guerras entre democracias do que se poderia esperar puramente da taxa geral de combate no mundo.44 Além disso, existe um grande grupo crescente de nações para as quais a guerra entre dois deles é, intuitivamente, quase impensável. Ninguém contempla seriamente a guerra entre os Estados Unidos e Canadá ou entre a Austrália e Nova Zelândia ou entre Inglaterra e França. Apesar das muitas guerras que assolaram a região nos séculos passados, hoje ninguém está preocupado com a guerra na Europa Ocidental.

Há espaço para debate sobre por que essas nações são pacificamente inclinadas uma para a outra. Alguns dizem que é porque são democráticas. Outros atribuem a paz a um liberalismo político mais amplo.45 Outros citam os efeitos pacificadores do livre comércio, que cria interdependências entre empresas de diferentes países e torna a guerra entre nações mais cara para os dois lados.46 Outros apelam para os efeitos do desenvolvimento econômico; à medida que as sociedades atingem um certo nível de desenvolvimento econômico, torna-se mais fácil e eficiente adquirir recursos através do comércio do que do combate.47 Os membros de sociedades ricas têm menos a ganhar e mais a perder lutando.48 Finalmente, alguns apontam para uma grande mudança de escala nos valores morais aceitos em muitas sociedades, uma mudança na qual a guerra passou a ser vista como hedionda e imoral, em vez de gloriosa e honrosa.49

Essas explicações não precisam ser vistas como concorrentes; esses fatores podem funcionar em conjunto para promover a paz, e alguns podem explicar ou reforçar outros. Qualquer que seja a importância relativa dos vários fatores, há um certo tipo de sociedade que parece altamente improvável de travar guerras com outras sociedades do mesmo tipo. Esse tipo de sociedade é geralmente liberal, democrática e economicamente desenvolvida e possui baixas barreiras ao comércio e valores modernos e pacíficos. Devido à variedade de fatores aos quais a paz pode ser atribuída, “paz democrática” pode ser um nome impróprio; no entanto, por uma questão de brevidade, continuarei a empregar esse nome. Da mesma forma, continuarei a me referir a essas sociedades pacificamente inclinadas (entre si) como “democracias liberais”, embora isso possa ser uma descaracterização da categoria relevante.

As observações anteriores sugerem um conjunto plausível de condições sob as quais uma sociedade anarquista evitaria a guerra. Primeiro, a sociedade deve estar localizada em uma região cercada por fortes democracias liberais. Isso tornaria altamente improvável que a sociedade fosse atacada por nações não liberais. Guerras entre nações distantes são raras em geral,50 e, nesse caso, um invasor teria que atravessar um dos Estados democráticos liberais. Segundo, a sociedade deve compartilhar as características das democracias liberais, além daquelas que inerentemente exigem governo. Deve ser rica; deve compartilhar valores amplamente liberais e ser amante da paz; e deveria possuir numerosas e fortes relações comerciais com seus vizinhos. Terceiro, a sociedade deve ser estabelecida com o consentimento – ou pelo menos sem a oposição – dos Estados liberais circundantes. Sob essas condições, é muito improvável que a sociedade sofra ataques de Estados estrangeiros.

Essas condições são realistas? A primeira condição é certamente realista: grandes regiões do globo são controladas por democracias liberais, esses regimes geralmente parecem altamente estáveis ​​e cada vez mais o globo está sob o controle de democracias liberais nos últimos dois séculos. Portanto, existem muitas regiões adequadas e muitas outras existirão no futuro.

A segunda condição também é realista, embora não seja inevitável, desde que o anarcocapitalismo seja viável em outros aspectos. É claro que, se a anarquia degenerar em lutas e pilhagens universais, a sociedade anarquista não seria rica e não manteria fortes laços comerciais com seus vizinhos. Os argumentos dos capítulos anteriores sobre a paz interna e a estabilidade da ordem anarcocapitalista são, portanto, importantes também para estabelecer o potencial de relações pacíficas entre uma sociedade anarquista e seus vizinhos. Se esses argumentos estiverem corretos e se uma sociedade anarquista for iniciada por pessoas inicialmente ricas, liberais e amantes da paz, a sociedade continuará compartilhando essas características.

É a terceira condição que seria a mais difícil de realizar. Como toda parte habitável da superfície da Terra é atualmente controlada pelos Estados, a sociedade anarquista aparentemente teria que ser fundada dentro do território de algum Estado. Isso parece improvável no momento, principalmente porque quase ninguém acredita no anarquismo. De fato, muito poucos ouviram falar da forma de anarquismo discutida neste livro. Isso sugere que o anarquismo não será adotado tão cedo. No entanto, afirmo que, caso fosse adotado, seria um sistema social bem-sucedido. Se o único obstáculo ao seu sucesso é que as pessoas se recusam a experimentá-lo, acho que isso não é obstáculo para sustentar que é o sistema social correto.

12.3.6 Se você deseja guerra, prepare-se para a guerra

Argumentei que uma sociedade anarquista poderia estar relativamente livre dos fatores que normalmente fazem com que os Estados se envolvam na guerra. Mas e se houvesse alguma característica exclusiva para as sociedades anarquistas que as levaria a se envolver na guerra? Essa característica não teria aparecido em nenhum dos estudos históricos das causas da guerra.

Há uma diferença óbvia entre anarquias e Estados que parece relevante: quase todos os Estados mantêm exércitos permanentes, enquanto uma sociedade anarquista presumivelmente não teria exército permanente. Isso tornaria a sociedade anarquista mais propensa à guerra? Alguns pensadores no campo das relações internacionais (muitas vezes apelidados de “realistas”) tomam as relações de poder entre os Estados, especialmente a presença ou ausência de dissuasão, como os principais determinantes da guerra e da paz. Costuma-se dizer que, se alguém deseja a paz, deve se preparar para a guerra.51 Esses pensadores podem argumentar que uma sociedade anarquista seria incapaz de deter os agressores e, portanto, logo seria atacada.

Outros pensadores mantêm uma posição quase oposta: os preparativos militares tornam a guerra mais provável do que menos. Uma razão é que os líderes que acreditam que sua nação está bem preparada para a guerra ou que se consideram comandantes de grandes forças militares podem se comportar de maneira mais agressiva nas interações entre Estados, provocando respostas mais agressivas de outros. Um segundo problema é que a manutenção de um exército permanente cria uma classe permanente na sociedade com interesse econômico em guerra – militares, fabricantes de armas e outros que negociam com militares – e esse “lobby de guerra” pode promover suspeitas a nações estrangeiras e apoiar líderes agressivos que têm maior probabilidade de iniciar ou escalar conflitos. Um terceiro problema é que, apesar da popularidade do ditado “se você deseja paz, prepare-se para a guerra”, países estrangeiros têm menos probabilidade de tomar seus preparativos de guerra como evidência de desejos pacíficos do que como evidência de intenções hostis. A suspeita e hostilidade gerada em nações estrangeiras aumentará a probabilidade de espirais de conflito que levam à guerra.52

Conservadores e liberais diferem entre si sobre o argumento teórico mais plausível. Felizmente, não precisamos confiar apenas em sentimentos; podemos recorrer à evidência empírica. O argumento da dissuasão (deterrence) nos levaria a esperar duas coisas: primeiro, que Estados mais militarizados (grosso modo, Estados que gastam mais recursos em gastos militares per capita) têm menos probabilidade de se envolver em guerra. A condição mais segura deve ser aquela em que ambos os membros de um par de Estados são altamente militarizados, uma vez que, nesse caso, ambos os lados poderiam antecipar danos enormes da guerra. Por outro lado, se nenhum dos Estados é altamente militarizado, as consequências da guerra são relativamente baixas e nenhum dos lados enfrentaria uma dissuasão forte.

Segundo, Estados com quase o mesmo poder devem ser menos propensos a entrar em guerra entre si do que Estados com um poder muito desigual. Quando dois Estados são quase iguais em poder, ambos sofrem sérias perdas com a guerra e, portanto, ambos enfrentam uma dissuasão forte, enquanto quando um Estado é muito mais poderoso que o outro, o Estado mais poderoso enfrentará pouca dissuasão.

Não podemos estar absolutamente confiantes em nenhuma dessas previsões. Talvez os Estados com maior probabilidade de entrar em guerra também sejam, por esse motivo, mais propensos a fazer os preparativos para a guerra. E talvez Estados poderosos se abstenham de atacar seus vizinhos mais fracos porque seus vizinhos mais fracos simplesmente aderem a todas as demandas dos Estados poderosos. Essas possibilidades interfeririam nas previsões que sugeri. No entanto, parece que, em contrapartida, a descoberta de uma correlação inversa entre militarismo e guerra seria tomada pela maioria dos observadores como pelo menos uma evidência a favor da teoria de que a preparação militar impede a guerra, assim como a descoberta de uma relação inversa entre igualdade de poder e guerra. Inversamente, então, correlações positivas em cada um desses casos minariam a teoria de que a preparação militar impede a guerra.

O cientista político Stuart Bremer analisou dados de todas as guerras entre 1816 e 1965. Entre outras coisas, descobriu que a militarização não teve efeito ou aumentou ligeiramente a probabilidade de guerra. Ele também descobriu que os Estados eram mais propensos a entrar em guerra quando eram aproximadamente iguais em poder e menos propensos a ir à guerra quando havia uma grande diferença de poder. Esses dois fatores – poder relativo e militarização – foram menos importantes que os fatores de democracia e desenvolvimento econômico, sugerindo que a ênfase dos “realistas” é equivocada.53

Outra maneira de testar a teoria de que a dissuasão militar é necessária para uma sociedade estar segura contra invasões estrangeiras é examinar casos de sociedades que têm pouca ou nenhuma força militar. A teoria da dissuasão preveria que qualquer sociedade desse tipo seria rapidamente dominada por outro país, assim como uma sociedade anarquista seria.

Atualmente, existem pelo menos quinze países sem forças militares, incluindo Andorra, Costa Rica, Estados Federados da Micronésia, Granada, Kiribati, Liechtenstein, Ilhas Marshall, Nauru, Palau, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Samoa, Ilhas Salomão, Tuvalu e Cidade do Vaticano.54 A maioria dessas nações têm, no entanto, permanecidas em paz por décadas. A maior dessas nações é a Costa Rica, cuja última guerra foi uma guerra civil em 1948. No ano seguinte, o país adotou uma Constituição que proíbe os militares. A Costa Rica está em paz desde então.55

Os defensores da necessidade de dissuasão podem tentar explicar esses casos de duas maneiras. Primeiro, cada uma dessas nações mantém uma força policial nacional, e talvez seja essa força policial que detenha os invasores. Dado que nenhuma dessas forças policiais poderia derrotar um exército tradicional, seu valor de dissuasão militar está aberto a perguntas. Mas se fornecem dissuasão suficiente contra a invasão, as agências privadas de proteção e os cidadãos armados comuns em uma sociedade anarquista devem também fornecer uma dissuasão comparável.

Segundo, se qualquer uma dessas nações fosse invadida, algum outro Estado poderia vir para defendê-la. Em muitos, mas não em todos os casos, esses países desmilitarizados têm entendimentos com nações mais poderosas, segundo as quais as nações mais poderosas são responsáveis ​​por sua defesa. Mesmo sem qualquer acordo, há uma boa chance de que alguma outra nação intervenha para impedir uma invasão hostil. Os Estados Unidos, por exemplo, têm uma história de intervenção em muitas partes do mundo, incluindo uma invasão de Granada em 1983, na qual as forças americanas derrubaram um golpe militar marxista e restauraram o governo democrático.56 Se, portanto, Granada foi invadida por um nação estrangeira, parece provável que os EUA voltem a intervir. O mesmo vale para outras pequenas nações da região, como Costa Rica, Santa Lúcia e São Vicente e Granadinas. Da mesma forma, no caso (altamente improvável) de alguma outra nação atacar a Cidade do Vaticano, os militares italianos, sem dúvida, interviriam; Andorra provavelmente poderia contar com proteção francesa ou espanhola; Nauru provavelmente seria defendida pela Austrália.

Isso levanta algumas questões teóricas. Por que a nação maior defenderia a nação pequena e desmilitarizada nesses casos? Por que, por exemplo, os Estados Unidos defenderam Granada? Granada não tem meios de obrigar os EUA a ajudá-los, nem pode se dar ao luxo de pagar pelos EUA pelo serviço (nem os EUA pediriam que fizesse isso). Uma razão parece ser que os Estados Unidos se consideram a polícia do Caribe (e, em menor grau, do mundo). Os líderes americanos podem se dar ao luxo de agir de maneira consistente com esta imagem, porque os eleitores americanos geralmente se sentem à vontade com essa imagem do papel de seu país, desde que as intervenções militares dos EUA não sejam muito longas ou caras. Outro fator é que o governo dos EUA não gostaria de ver outro governo agressivo ganhar influência na região. Quando os Estados Unidos invadiram Granada em 1983, foi parcialmente para impedir que a ilha fosse controlada por comunistas amigos de Fidel Castro, de Cuba.

Uma segunda questão teórica é ainda mais nítida para os “realistas”: o que protege Granada dos Estados Unidos? Por que os EUA não dominaram a ilha e a administram como uma colônia? Aqueles que procuram explicar as relações internacionais em termos de relações de poder e que enfatizam a dissuasão como uma condição necessária para a segurança devem ter dificuldade em explicar o gozo contínuo da paz e da independência de Granada e outras nações indefesas.

Aqui está uma explicação plausível (não-realista). Se os líderes americanos lançassem uma dominação hostil de Granada, a ação receberia imediatamente publicidade extremamente negativa. Granada seria amplamente percebida (corretamente) como uma nação inofensiva e indefesa, e a invasão seria, portanto, extremamente impopular entre os eleitores americanos.

Os políticos dos EUA, embora talvez estejam felizes em ignorar os desejos da população quando ninguém está assistindo (o que quase sempre acontece), geralmente temem desafiar a opinião dos eleitores em casos de alto nível, principalmente quando há tão pouco a ganhar quanto seria possível neste caso. Qualquer invasão militar deve ser notória, de modo que os líderes relutam em atacar nações consideradas inofensivas.

Não é apenas entre um punhado de nações literalmente indefesas do mundo que se encontram casos de segurança sem dissuasão militar. Além disso, existem muitas nações com forças militares muito mais fracas que as dos países vizinhos. Por exemplo, as forças armadas dos EUA mantêm aproximadamente 1,4 milhão de militares, enquanto as forças canadenses somam 68.000.57 Nenhuma consideração militar realista impede os Estados Unidos de assumir o Canadá. Considerando o número de pares de nações no mundo para o qual uma nação é muito mais poderosa que a outra e contrastando isso com o número muito pequeno que realmente está em guerra, é preciso começar a duvidar da importância da dissuasão para explicar como a paz é mantida.

Voltando à questão da anarquia, os estatistas serão rápidos em argumentar que a segurança das nações desmilitarizadas em discussão depende do poder e das intenções benevolentes de outros Estados, que devem proteger as nações fracas. Portanto, a segurança de uma sociedade realmente depende do governo, embora não necessariamente do própria governo dessa sociedade.

Seja como for, a questão de interesse era se uma sociedade anarquista pode esperar estar segura contra a agressão estrangeira. Se uma sociedade pode ser segura devido ao caráter dos governos de outras nações, parece que a sociedade não precisa ter um governo próprio, e uma sociedade anarquista pode, portanto, ser segura. Uma sociedade anarquista pode depender da força e intenções benevolentes das democracias liberais próximas, da mesma maneira que muitos Estados existentes atualmente dependem.

Mesmo que algumas sociedades anarquistas seguras pudessem ser estabelecidas, ainda se poderia perguntar se o sistema poderia servir como um ideal para o mundo como um todo. Esta questão será abordada no capítulo 13.

12.4 Evitando o terrorismo

Desde 2001, os americanos estão preocupados com a ameaça do terrorismo, e essa preocupação levou a uma expansão significativa dos poderes do governo central. Pode-se pensar que o governo é necessário para proteger as pessoas dessa ameaça.

12.4.1 A ameaça terrorista

Entre 1968 e 2009 (os anos para os quais havia dados disponíveis), ataques terroristas mataram cerca de 3.200 vidas nos Estados Unidos (quase todas em 11 de setembro de 2001) e 64.000 vidas em todo o mundo.58 Durante o mesmo período, assassinos não-terroristas nos Estados Unidos tiraram 802.000 vidas.59 O número total de mortes americanas por todas as causas durante esse período foi próximo a 91 milhões.60 Assim, nos Estados Unidos, o terrorismo foi responsável por aproximadamente 0,4% dos assassinatos e 0,004% de todas as mortes. Esses números inicialmente dificultam a visão do terrorismo como uma das ameaças mais graves enfrentadas pelos Estados Unidos ou pelo mundo.

A única maneira pela qual alguém poderia ver o terrorismo como uma ameaça séria é, portanto, se alguém suspeitar que o terrorismo futuro será muitas vezes pior do que o terrorismo passado. Isso pode ser verdade se os terroristas tiverem o controle de armas nucleares ou biológicas. Não há maneira confiável de estimar as chances de tal ocorrência; no entanto, alguns especialistas no assunto fizeram avaliações alarmantes. Em 2005, o senador dos EUA Richard Lugar entrevistou 85 especialistas em não-proliferação e segurança nacional de todo o mundo em suas avaliações do risco de terrorismo envolvendo armas de destruição em massa (ADM). Em média, os entrevistados consideraram um ataque nuclear terrorista em algum lugar do mundo nos próximos dez anos como 29% provável e um grande ataque biológico com chances de 33%.61 Em 2008, a Comissão do Governo dos EUA para a Prevenção da Proliferação e Terrorismo de ADM considerou mais provável que um ataque terrorista com armas de destruição em massa ocorresse em algum lugar do mundo até 2013, com um ataque biológico sendo mais provável que um ataque nuclear.62

Essas avaliações devem ser feitas com um pé atrás, pois os especialistas em segurança nacional podem ter um viés para exagerar as ameaças à segurança nacional. Aqueles que estão mais predispostos a se preocupar com ameaças à segurança nacional têm maior probabilidade de se tornarem especialistas em segurança nacional. Muitos desses especialistas trabalham para governos, que tendem a lucrar com a percepção do público sobre sérias ameaças à segurança nacional. Mais importante ainda, as avaliações mencionadas no parágrafo anterior são suposições subjetivas, avaliações do tipo menos confiável e mais facilmente influenciado pelo viés.63 Essa falta de confiabilidade talvez se reflita no fato de que avaliações especializadas da probabilidade de terrorismo com armas de destruição em massa abrangem todo 0 a 100 por cento.64 Especialistas que consideram detalhadamente as várias maneiras pelas quais uma conspiração terrorista pode falhar tendem a ver os riscos muito menores do que o indicado no parágrafo anterior.65

Embora não haja acordo sobre a probabilidade aproximada de um ataque terrorista com armas de destruição em massa, existe um consenso geral de que esse ataque teria consequências extremamente graves, começando com possivelmente centenas de milhares de mortes.66 Nos piores cenários apresentados por especialistas, as fatalidades seriam equivalente a algumas décadas de assassinatos comuns nos Estados Unidos. Embora essa não seja uma ameaça existencial para a sociedade americana ou qualquer outra, continua sendo uma preocupação séria.

12.4.2 As raízes do terrorismo

Por que ocorrem ataques terroristas? Há duas visões amplas sobre as motivações da maioria dos terroristas. A primeira é a imagem do “choque de civilizações”, expressa de forma eloquente pelo presidente dos EUA George W. Bush em 2001:

Eles odeiam o que veem aqui nesta Câmara: um governo eleito democraticamente. […] Eles odeiam nossas liberdades: nossa liberdade de religião, nossa liberdade de expressão, nossa liberdade de votar, reunir e discordar um dos outros. […] Esses terroristas matam não apenas para acabar com vidas, mas para perturbar e terminar um modo de vida. […] é a luta da civilização. Essa é a luta de todos que acreditam no progresso e no pluralismo, na tolerância e na liberdade.67

Nesta visão, os terroristas são movidos por objetivos fundamentalmente maus, e os EUA são alvo por causa de suas virtudes mais notáveis. Nenhuma mudança na política do governo, com exceção da conversão à teocracia islâmica, poderia ter um impacto significativo nas motivações terroristas.

Outra visão atribui o sentimento antiamericano a políticas externas específicas dos EUA, particularmente no Oriente Médio. Entre essas políticas estão as sanções patrocinadas pelos EUA contra o Iraque após a primeira guerra do Golfo Pérsico; Apoio dos EUA a Israel no que alguns descrevem como opressão dos palestinos; a presença contínua de tropas americanas em países muçulmanos, particularmente na Península Arábica desde a primeira guerra do Golfo; as recentes invasões e ocupações do Afeganistão e Iraque, com a consequente morte de centenas de milhares de cidadãos desses países; e o abuso de prisioneiros em Abu Ghraib e em outros lugares. Argumenta-se que cada uma dessas ações contribuíram para uma maré de ressentimento em relação aos EUA, particularmente nos países muçulmanos, permitindo assim que grupos terroristas recrutem membros adicionais.68

Qual dessas concepções básicas é mais precisa? As evidências pesam fortemente a favor da teoria da “retaliação da política externa”. Para começar, as declarações reais de Bin Laden e de outros líderes terroristas ao apelar à jihad contra os EUA citam políticas estrangeiras americanas específicas como justificativa, principalmente a presença de tropas americanas na “terra dos dois Lugares Sagrados” (Península Arábica), O apoio dos EUA a Israel e a guerra e as sanções econômicas dos EUA contra o Iraque.69 Eles não citam os valores democráticos liberais dos EUA, nem visam democracias liberais sem envolvimento no Oriente Médio.

Presumivelmente, esses líderes terroristas estariam em uma posição melhor para conhecer suas próprias motivações do que oficiais do governo americano ou outros observadores distantes, e seria do interesse deles revelar essas motivações se esperavam coagir as nações a aceitar seus desejos. Por outro lado, as avaliações de funcionários do governo podem sofrer um viés na direção de descontar a responsabilidade do próprio governo por sentimentos terroristas, principalmente se os funcionários não tiverem a intenção de mudar as políticas que podem ter levado a esses sentimentos.

Especialistas que estudam motivações terroristas chegam a conclusões semelhantes. O antropólogo Scott Atran passou anos estudando terroristas em vários países ao redor do mundo, entrando em suas comunidades e entrevistando terroristas. Atran descobriu que terroristas recentes são movidos por indignação moral com a violência praticada por americanos contra muçulmanos no Iraque, Afeganistão e em outros lugares. Ele descobriu que os jihadistas não são movidos pelo ódio pela liberdade e pela democracia, como afirmou Bush, nem são “niilistas”, como afirmou Barack Obama.70 Eles se consideram heróis corajosos enfrentando um enorme opressor. Como disse um membro do Politburo do Hamas: George Washington estava lutando contra as forças armadas mais fortes do mundo, além de qualquer razão. É isso que estamos fazendo. Exatamente.71

Robert Pape e James Feldman estudaram todos os 2.200 ataques terroristas suicidas que ocorreram em todo o mundo entre 1980 e 2009. Descobriram que esses ataques não eram principalmente motivados por diferenças religiosas. Em vez disso, quase todos os ataques foram motivados pelo desejo de acabar com a ocupação militar estrangeira de um território que os terroristas valorizavam. Essa foi a constante entre grupos terroristas seculares e religiosos e em todos os países, da Cisjordânia ao Sri Lanka, Líbano e Chechênia.72 Isso inclui os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 que levaram os americanos horrorizados a perguntar: “Por que eles nos odeiam?” Aqui estão as palavras de três dos sequestradores do 11 de setembro:

Abu al-Jaraah al-Ghamidi: O que está acontecendo nos países muçulmanos hoje? Ocupação flagrante sobre a qual não há dúvida. […] Não há dever mais obrigatório após a fé do que repelir isso.

Abu Mus’ab Walid al-Shehri: Repelir os americanos de ocupar a terra dos Dois Santuários […] é a obrigação mais obrigatória.

Hamza al-Ghamdi: E digo aos EUA: se desejam que seus exércitos e seu povo estejam em segurança, devem retirar todas as suas forças das terras muçulmanas e se afastar de todos os nossos países.73

Não é preciso dizer que o esforço para entender as motivações dos terroristas não implica simpatia pelos terroristas, nem envolve qualquer tentativa de desviar a culpa moral das ações terroristas dos próprios terroristas. Uma compreensão precisa das motivações terroristas, livre de preconceitos egoístas, é simplesmente o primeiro passo para entender como evitar ataques terroristas no futuro.

12.4.3 Soluções violentas e não-violentas

Como o problema do terrorismo deve ser tratado? A maioria dos governos se concentra na estratégia de fiscalização: rastrear e capturar ou matar o maior número possível de terroristas. Espera-se que isso incapacite a maioria das pessoas que, de outra forma, cometeriam atos terroristas, além de dissuadir outras pessoas que poderiam considerar se tornar terroristas. Muitos terroristas foram capturados ou mortos, e isso presumivelmente impediu diretamente muitos ataques terroristas que, de outra forma, teriam ocorrido.

Ao mesmo tempo, existem razões para apreensão sobre a estratégia geral. É impossível capturar todos os terroristas, e até capturar uma grande porcentagem deles pode ser difícil e exigir grandes sacrifícios, tanto em termos materiais quanto em termos de liberdades civis. A aplicação provavelmente se tornará cada vez mais difícil no futuro, pois à medida que a sociedade avança econômica e tecnologicamente, cada vez mais pessoas terão acesso a ferramentas capazes de causar grande destruição. Os governos podem recorrer a métodos de aplicação cada vez mais draconianos. No entanto, esses métodos podem criar ressentimentos adicionais, levando mais pessoas a se tornarem terroristas; isso é mais provável se esses métodos incluírem tortura ou outro abuso de prisioneiros. Se o governo também continuar com as políticas que levaram ao sentimento terrorista, novos recrutas terroristas poderão continuar a aparecer regularmente, perpetuando um estado constante de conflito. De acordo com uma pesquisa da Gallup, 7% dos 1,6 bilhões de muçulmanos do mundo consideraram os ataques do 11 de setembro completamente justificados, enquanto 37% consideraram os ataques completamente, em grande parte ou em parte – justificado.74 Com um número tão grande de pessoas abrigando algumas simpatia pelo terrorismo, parece que uma estratégia eficaz deve se concentrar mais em reduzir essa maré de indignação, em vez de implantar cada vez mais violência para destruir o inimigo. Quando confrontada com oponentes de uma comunidade que contém dezenas ou centenas de milhões de pessoas ultrajadas, é mais provável que uma estratégia puramente combativa produza um ciclo interminável de derramamento de sangue que será trágico para os dois lados.

A abordagem ideal para o terrorismo seria agir de alguma maneira para que ninguém, ou no mínimo muito poucas pessoas, tenha o tipo de raiva que as motivasse a cometer ataques terroristas, para começar. Se os ataques terroristas são motivados por pura maldade ou por ódio à liberdade, isso não seria possível. Mas se, como argumentei, o terrorismo é uma retaliação por políticas governamentais específicas, o problema pode ser resolvido com a eliminação dessas políticas.

Uma sociedade anarquista seria muito mais segura do terrorismo do que uma sociedade dominada pelo governo, pois a sociedade anarquista não teria mecanismo para empreender os tipos de ações que normalmente motivam ataques terroristas. Os anarquistas não colocariam, por exemplo, tropas em solo estrangeiro, imporiam embargos econômicos a outros países ou invadiriam outros países.

Obviamente, uma nação com um governo pode praticar uma política externa não-intervencionista e, assim, evitar se tornar um alvo do terrorismo. No entanto, deve-se ter em mente que a existência de um governo cria um risco contínuo e não trivial de que o governo assuma políticas que fazem com que seus próprios cidadãos se tornem alvos de ataques terroristas. A auto-imagem do governo, quase por sua própria natureza, é a de uma agência que atua para combater as ameaças à sociedade através da força. Assim, embora não seja inevitável, é natural que os governos reajam às ameaças percebidas de maneira agressiva que perpetua o ciclo de violência. As políticas democráticas são mais propensas a apoiar do que restringir o Estado assim que esse ciclo começar. Em um debate presidencial de 2011, o candidato republicano Rick Santorum recebeu aplausos da plateia por declarar que os Estados Unidos foram atacados em 2001 por causa do ódio terrorista por liberdade, oportunidade e seu “excepcionalismo americano”. O candidato rival Ron Paul respondeu citando as declarações reais da Al Qaeda como evidência de que as políticas externas dos EUA foram o motivo dos ataques. Paul recebeu vaias da plateia por suas observações.75 Essa evidência admitidamente anedótica sugere que as políticas democráticas tendem a preferir candidatos que atribuem ameaças ao puro mal dos inimigos da nação sobre candidatos que verdadeiramente atribuem hostilidade inimiga a políticas governamentais anteriores. Isso é um mau presságio para as perspectivas de resolução de conflitos sem derramamento de sangue terrível.

12.5 Os perigos da “segurança nacional”

12.5.1 O risco de agressão injusta

Suponha que eu desenvolva um plano para tornar minha casa segura contra assaltantes e outros invasores: plantarei minas terrestres no meu quintal. Claramente, seria bárbaro discutir essa proposta puramente em termos de quão bem ela promove a segurança de minha própria casa. Seria eticamente obrigado a considerar também questões como o que acontecerá se as crianças da vizinhança se desviarem para o meu gramado – mesmo que não sejam minhas crianças.

Da mesma forma, qualquer sociedade é eticamente obrigada a considerar como seu aparato de segurança nacional afeta não apenas sua própria segurança, mas também a segurança de outros povos ao redor do mundo. Essa questão é particularmente apontada para os americanos, cujo aparato de “defesa” inclui mais de 700 bases militares em 39 países estrangeiros76 e esteve recentemente envolvido nos conflitos do Oriente Médio mencionados acima. Mas não são apenas os americanos que têm motivos de preocupação moral com as ações de seus governos; 27 países enviaram tropas para a guerra no Iraque, incluindo mais de 10.000 tropas britânicas.77

Alguém pode se perguntar se a agressividade recente dos governos americano e aliados é um acidente histórico ou se existe algo na natureza do governo que incentive esses resultados. A resposta é que, embora essa agressão esteja longe de ser inevitável, ela permanece um risco não trivial para qualquer sociedade que mantenha um governo em um ambiente geopolítico semelhante ao que existe atualmente. Enquanto existirem muitos países não democráticos no mundo, os países democráticos correm o risco de entrar em guerra com países não democráticos, particularmente aqueles que são vistos como estranhos pelas populações das nações democráticas. O próprio aparato de segurança nacional cria um interesse permanente na guerra. Os governos, particularmente seus ramos dedicados à segurança nacional, tendem a lucrar com um estado de guerra, assim como os contratados que vendem bens e serviços às forças armadas. Portanto, poderia-se esperar, no mínimo, que esses interesses tivessem uma percepção aguçada dos argumentos a favor da guerra em um determinado momento e uma percepção relativamente preguiçosa dos argumentos pela paz.

Mas não são apenas os contratados militares e os membros do aparato de segurança nacional do governo que podem apoiar a guerra. Muitos cidadãos comuns, por um senso de patriotismo equivocado, por um desejo de projetar uma auto-imagem masculina ou por ignorância e mal-entendido, podem apoiar guerras agressivas. Embora essas falhas cognitivas e de caráter estejam presentes em qualquer população grande, é apenas em uma sociedade controlada pelo governo que eles provavelmente levarão à violência em larga escala, pois somente em uma sociedade controlada pelo governo há um aparato permanente que permite tais indivíduos provocar violência em larga escala a um custo mínimo para si mesmos, simplesmente comparecendo às urnas e votando em políticos agressivos. Mesmo que, por exemplo, a maioria dos americanos desejasse uma guerra com o Irã, dificilmente alguém consideraria pegar em armas e, como indivíduos particulares, voar para o Irã e atacá-lo. Somente através de um aparato governamental é provável que sua hostilidade leve à violência em massa.

Como no caso das minas terrestres no meu gramado de casa, temos uma forte razão moral para eliminar nosso governo; ou seja, a ameaça que isso representa para pessoas inocentes em outras partes do mundo.

12.5.2 O risco de um desastre global

A espécie humana não é imortal. Com toda a probabilidade, um dia será extinta. Podemos esperar que este dia chegue num futuro distante, talvez milhões de anos. Mas devemos temer que isso aconteça muito mais cedo, talvez dentro de apenas centenas de anos.

Nossa espécie sobreviveu por 200.000 anos até agora. Mas isso não é motivo para complacência; durante a maior parte desse tempo, não possuíamos nenhuma tecnologia plausivelmente capaz de nos extinguir. Desde o final da Segunda Guerra Mundial, nós temos. Uma guerra nuclear entre os Estados Unidos e a União Soviética poderia ter extinguido a espécie e, de qualquer forma, teria sido uma catástrofe do tipo que a humanidade nunca viu.

Os Estados Unidos e a União Soviética conseguiram evitar essa guerra nas cruciais quatro décadas e meia desde o final da Segunda Guerra Mundial até o colapso da União Soviética. Pode-se considerar isso como um atestado da eficácia da dissuasão e da capacidade dos líderes nacionais de agir racionalmente quando as apostas são altas o suficiente. Mas, novamente, temos poucas razões para complacência. Os EUA e a União Soviética chegaram mais perto da guerra do que muitos imaginam. Durante a Crise de Mísseis Cubanos de 1962, o Presidente Kennedy pensou que as chances de uma guerra nuclear eram de aproximadamente uma em três.78 Em um ponto durante a crise, os navios da Marinha Americana lançavam acusações profundas sobre um submarino soviético, em um esforço para forçá-lo a superfície. Desconhecido para os americanos, o submarino estava armado com um torpedo nuclear. O capitão queria disparar o torpedo, mas Vasily Arkhipov, segundo em comando, conseguiu convencer o capitão a parar e subir o submarino à superfície.79

Esse incidente ilustra a fragilidade das barreiras à guerra entre Estados-nações rivais, mesmo quando os países opostos estão cientes de que qualquer guerra seria catastrófica. Se Vasily Arkhipov concordasse com seu capitão ou se um indivíduo mais agressivo estivesse no submarino no lugar de Arkhipov, o torpedo teria sido disparado e, com toda a probabilidade, uma guerra nuclear global teria ocorrido, com centenas de milhões, talvez bilhões, de baixas.

Esse incidente deve nos dar uma pausa. Se o mundo chegou tão perto da guerra nuclear em 1962, poderia chegar novamente. As circunstâncias superficiais seriam diferentes. A data pode demorar décadas ou séculos no futuro. As nações envolvidas podem ser diferentes. No lugar das armas nucleares, os exércitos daquele dia podem estar armados com algumas armas ainda mais temíveis ainda não inventadas. Enquanto os exércitos habitarem um mundo tecnologicamente avançado, haverá armas de destruição em massa. E enquanto existirem armas de destruição em massa, ainda existe a chance de serem usadas – se não sob as ordens explícitas de um líder nacional, e sob a autoridade de um comandante militar em campo. O uso de tais armas, por sua vez, gera o risco de uma rápida escalada para a guerra apocalíptica.

Como essa ameaça está relacionada ao caso a favor ou contra o governo? O governo é a fonte de todas as armas de destruição em massa atualmente existentes. O governo dos EUA inventou armas nucleares e continua sendo a única organização a ter usado com raiva. Um punhado de governos nacionais, particularmente os governos dos EUA e da União Soviética, são responsáveis ​​pela construção de todas as armas nucleares atualmente existentes. Se a história é um guia, as próximas armas de destruição em massa a serem inventadas quase certamente serão inventadas por algum governo nacional (provavelmente o governo dos EUA, cujo orçamento militar, até o momento da redação deste artigo, é responsável por 40% dos gastos militares do mundo inteiro) ) Qualquer que seja essa tecnologia, provavelmente representará uma ameaça ainda maior à sobrevivência da humanidade do que as armas nucleares. Assim, o aparato que inventamos para nos proteger contra a agressão estrangeira é, ele próprio, a principal fonte do maior perigo que a espécie humana já enfrentou.

12.6 Conclusão

Sem o aparato de segurança nacional do Estado – seus exércitos, agências de inteligência e assim por diante – como uma sociedade poderia estar protegida de ameaças estrangeiras, como governos estrangeiros hostis e organizações terroristas? Existem várias respostas plausíveis para isso.

Primeiro, uma sociedade poderia ser defendida contra invasores estrangeiros por guerrilheiros. Vários episódios históricos recentes sugerem que os insurgentes nativos podem representar um problema extremamente sério, mesmo para os exércitos mais avançados e poderosos que procuram ocupar terras estrangeiras.

Segundo, movimentos de resistência popular não-violentos muitas vezes se mostram altamente eficazes em convencer governos opressivos a dar liberdade às pessoas.

Terceiro, é muito menos provável que uma sociedade não governada se envolva em conflitos violentos do que uma sociedade controlada pelo governo. A grande maioria das guerras é causada por disputas entre governos e todos ou quase todos os atos terroristas são realizados em represália às políticas governamentais.

Quarto, uma sociedade anarquista pode ser estabelecida sob condições que tornam improvável a guerra. Desde que

i) a sociedade seja estabelecida em uma região dominada por democracias liberais;

ii) a própria sociedade adote valores liberais;

iii) a sociedade mantenha fortes relações sociais e econômicas com seus vizinhos;

iv) a sociedade careça de grandes tensões religiosas ou étnicas internas;

v) a sociedade não esteja estabelecida em uma região de longa disputa territorial;

vi) a sociedade seja estabelecida através de um movimento local, em vez de ser imposta por potências estrangeiras, e;

vii) a sociedade seja estabelecida com o consentimento do Estado que anteriormente controlava o território.

Então uma sociedade anarquista provavelmente estaria estável e livre de conflitos violentos com outras nações. As seis primeiras dessas condições (em conjunto) são totalmente realistas. Somente a sétima parece inatingível em um futuro próximo, principalmente porque poucas pessoas aceitam a teoria defendida neste livro.

Por fim, é importante considerar o perigo que o próprio aparato de segurança nacional representa para o resto do mundo. Enquanto existir, o Estado tem um risco não trivial de cometer violência injusta contra outros, na forma de guerra agressiva, bem como um risco não trivial de desenvolver e usar armas de destruição em massa, que ameaçam a sobrevivência da espécie humana. Somos moral e prudentemente obrigados a minimizar esses riscos.

Notas

[1] U.S. Navy 2009; Birkler et al. 1998, 75.

[2] CNN Money 2012.

[3] Stockholm International Peace Research Institute 2012.

[4] Vigésimo Quinto Batalhão de Aviação n.d.

[5] Para uma descrição do conflito no Vietnã, consulte Herring 2002.

[6] Para uma descrição da guerra de independência da Irlanda, consulte Hopkinson 2002.

[7] Para um relato da revolta da Argélia, ver Horne 1987.

[8] Para uma descrição do conflito soviético-afegão, consulte Maley 2009.

[9] Estima-se que 47% das famílias americanas possuem armas de fogo (Saad 2011), e o país contém mais de 200 milhões de armas particulares, quase um terço do suprimento total de armas do mundo (Reuters 2007b).

[10] Para uma descrição do movimento de independência da Índia, ver Sarkar 1988.

[11] Para uma descrição do movimento americano pelos direitos civis, ver Williams 1987.

[12] Para um relato da luta polonesa, ver Mason 1996, 26-9, 51-4; Sanford 2002, pp. 50–5; BBC News 1999.

[13] Ver Coleman 1996, capítulo 16, para uma breve descrição do golpe de agosto e do colapso da União Soviética. Sobre a recusa das forças especiais soviéticas em atacar a Casa Branca, ver Ebon 1994, 7-9. No caso da Estônia, ver Tusty e Tusty 2006.

[14] Mao 1972, 61.

[15] Esse relato deriva levemente de Sharp 1990, cap. 2–3.

[16] Ver Sobek 2009, 2–3; Cashman e Robinson 2007, 3-4.

[17] Lorenz 1966, 42-3, capítulo 13; Wilson 2000, p. 254-5.

[18] Robert Sapolsky (em Fry 2007, prefácio, x) atribui a tese a Lorenz (1966). No entanto, Lorenz conclui seu livro com uma discussão de maneiras de evitar a guerra (1966, capítulo 14), chegando a prever que um dia o amor e a amizade abrangerão toda a humanidade (298–9).

[19] Fry 2007, 17, 237–8.

[20] Remak 1993, 14, 157. O princípio da neutralidade suíça foi escrito no Tratado de Paris de 1815, após a derrota de Napoleão Bonaparte, que já havia assumido a Suíça.

[21] Cashman e Robinson 2007, 1; Gat 2006, 591; Pinker 2011.

[22] Gat (2006, 39-41) assume essa posição.

[23] Gat (2006, 61-7, 409-14) considera isso a causa subjacente central da guerra.

[24] Cashman e Robinson 2007, 205, 216–23.

[25] Cashman e Robinson 2007, 271-3.

[26] Karsh 2002, 89-92.

[27] Um tratado de 1975 havia estabelecido a fronteira entre os dois países no meio do rio. No entanto, Saddam Hussein, sentindo que o Iraque havia sido coagido a aceitar esse tratado, desejava retornar aos termos de um tratado anterior, de 1937, que havia estabelecido a fronteira na margem oriental do rio.

[28] Cashman 1993, 165–72; Choucri e North 1975, 248–9, 254.

[29] Cashman e Robinson 2007, 55–68.

[30] Cashman e Robinson 2007, 271–3, 288–92.

[31] Parker 1997, 2; Miller 2001, 20; Lindemann 2010, 68-70.

[32] Keynes 1920, 225. A opinião britânica da época estava amplamente de acordo com Keynes (Henig 1995, 50-2).

[33] Organski 1968, 371.

[34] Copeland 2000, 4–5.

[35] Organski 1968, 356–9.

[36] Copeland 2000, 56-117.

[37] Cashman e Robinson 2007, 30-6, 57. As evidências de Copeland (2000, 79-117) mostram como as autoridades alemãs manipularam a Áustria, a Rússia e a França na guerra.

[38] Organski 1968, 357–8.

[39] Copeland 2000, 118–45.

[40] Cashman e Robinson 2007, 278-81.

[41] Veja a declaração seminal de Babst (1972). Veja Gleditsch 1992 para uma breve revisão da literatura.

[42] Kant 1957, 12–13.

[43] Ver Seção 9.4.3. Gat (2006, 582-3) observa que massas belicosas em muitas sociedades levaram seus líderes à guerra.

[44] Bremer 1992, 316, 328–30, 334–6; Russett e Oneal 2001, 108-11.

[45] Doyle 2010a; 2010b.

[46] Domke 1988, capítulo 5.

[47] Gartzke 2010.

[48] Gat 2006, 587-97.

[49] Mueller 2004, 1–2, 32–40; Pinker 2011, capítulo 4.

[50] Bremer 1992, 312–13, 327, 334–6.

[51] O ditado “Si vis pacem, para bellum” deriva do escritor romano do século IV Vegetius (2001, 63).

[52] Bremer (1992, 318) discute esses argumentos.

[53] Bremer 1992, 326, 334–8. Bremer observa que, depois de controlar outros fatores, o efeito da militarização é mínimo.

[54] Agência Central de Inteligência dos EUA 2011. A Wikipedia lista cinco países adicionais com “sem exército permanente, mas […] forças militares limitadas”: Haiti, Islândia, Maurício, Mônaco e Panamá, todos listados pela CIA como “sem forças militares regulares”.

[55] Departamento de Estado dos EUA 2011.

[56] Agência Central de Inteligência dos EUA em 2011.

[57] Departamento de Defesa dos EUA 2010; Departamento Canadense de Defesa Nacional 2011.

[58] Todos os dados sobre fatalidades terroristas são da RAND Corporation (2011).

[59] Disaster Center 2011a. Concentro-me nas mortes americanas aqui porque estatísticas confiáveis dos EUA estão mais prontamente disponíveis do que as estatísticas mundiais.

[60] Disaster Center 2011b. Os totais de óbitos nos anos não mostrados na tabela foram estimados com base nos totais de óbitos nos anos próximos.

[61] Lugar 2005, 14, 19.

[62] Comissão de Prevenção da Proliferação e Terrorismo das ADM 2008, xv. Para alertas igualmente terríveis, consulte Allison 2004, 15; Bunn 2006.

[63] O método usual de avaliar a probabilidade de um evento envolve observar sua frequência em um grande número de tentativas. No presente caso, nenhuma instância do evento foi observada. Outra abordagem é observar a frequência de quase acidentes – casos em que o evento quase ocorreu. Não há casos conhecidos em que os terroristas tenham chegado muito perto de um grande ataque bem-sucedido com armas de destruição em massa; no entanto, houve numerosos casos em que planos terroristas de distribuição de agentes tóxicos foram frustrados e outros em que indivíduos ou grupos não autorizados foram apanhados com amostras de urânio altamente enriquecido (Cordesman 2005, 22-4). A maneira mais confiável de avaliar probabilidades pode ser estabelecer um mercado de apostas (consulte, por exemplo, www.intrade.com). O governo dos EUA considerou estabelecer um mercado de apostas em terrorismo, mas rejeitou a proposta por razões emocionais (CNN 2003).

[64] Lugar 2005, 14, 19.

[65] Veja Levi 2007. Embora Levi se recuse a oferecer uma avaliação numérica do risco de terrorismo nuclear, a impressão que ele deixa é muito menos alarmante do que a deixada pelos autores anteriores. No entanto, Levi aconselha fortemente a favor do fortalecimento das defesas contra o terrorismo nuclear.

[66] Levi (2007, 38) menciona a possibilidade de 100.000 mortes devido a um ataque nuclear terrorista em Nova York; Allison (2004, 4) menciona a possibilidade de meio milhão de mortes imediatas do mesmo evento, além de centenas de milhares mais nas horas seguintes.

[67] Bush 2001.

[68] Ver, por exemplo, Hornberger 2006.

[69] bin Laden 1996; Bin Laden et al. 1998.

[70] Veja Obama 2004, x: “Também não pretendo entender o niilismo severo que levou os terroristas naquele dia e que ainda deixa seus irmãos. Meus poderes de empatia, minha capacidade de alcançar o coração de outra pessoa não podem penetrar nos olhares vazios daqueles que matariam inocentes com satisfação abstrata e serena.”

[71] Atran 2010, 347. Ver Atran 2010, 53-4, 55-6, 114-15, 290, sobre motivações terroristas. Atran (2010, 4-5, 42-3) contesta as observações de Bush e Obama.

[72] Pape e Feldman 2010, 9–10.

[73] Dos vídeos dos mártires do 11 de Setembro, citados em Pape e Feldman 2010, 23.

[74] Sobre os resultados da pesquisa, veja Atran 2010, pp. 57–8; Satloff 2008. Sobre a população muçulmana mundial, consulte Pew Research Center 2009.

[75] CNN 2011.

[76] Perry 2008. militarybases.com relata que as forças dos EUA estão posicionadas em mais de 135 países em todo o mundo (http://militarybases.com/; acessado em 18 de outubro de 2011).

[77] BBC News 2003.

[78] Blanton 1997, 93.

[79] Dobbs 2008, 302–3, 317.