O debate sobre juros entre Bastiat e Proudhon

No final de 1849 e começo de 1850, dois dos maiores expoentes do pensamento libertário francês, Frédéric Bastiat e Pierre-Joseph Proudhon, realizaram um debate ao longo de vários meses nas páginas do La Voix du Peuple [A Voz do Povo, no original em francês], jornal de Proudhon, sobre a natureza e a legitimidade da cobrança de juros.

Ação Humana, 1949: um episódio dramático na história intelectual

O termo "drama" pode parecer deslocado em relação a um tomo sério a respeito das fundações de uma disciplina séria. Mas Ação Humana não é uma obra qualquer. Na época de seu lançamento, considerou-se que a obra foi escrita de maneira friamente rigorosa, articulando uma visão de mundo particular a um entendimento de mundo particular — isso quando se achava que essa visão de mundo e esse entendimento já tinham sido varridos do cenário profissional. O livro acabou sendo sumariamente descartado, e subsequentemente ignorado, como se não passasse do último suspiro de uma tradição intelectual decadente. Mas essa opinião estava terrivelmente equivocada.

Todos devemos economizar mais: A economia da ética da poupança

Como na externalidade da oferta de trabalho, no entanto, existem benefícios adicionais decorrentes da decisão de poupança. Conforme observado, a economia, medida pelo valor total do produto, torna-se maior pelo tamanho do incremento do valor refletido no produto líquido do investimento de capital que o ato inicial de poupar torna possível. Certamente, as fontes adicionais disponíveis para gastos, tanto em bens de consumo quanto em capital, no segundo ano devem vir da pessoa que primeiro poupa e depois recebe esse retorno líquido. Mas essa pessoa, no segundo ano, é capaz de retornar ao gasto ou ao fluxo de capital, ou ambos, US$ 1,05, que se torna a demanda por bens e serviços produzidos na economia. E uma economia que é maior, mesmo que em cinco centavos, é capaz de explorar mais plenamente as vantagens da especialização no uso de recursos. Coloque um dólar de poupança adicional junto com outros que refletem decisões semelhantes por parte de muitas pessoas, e uma tecnologia em algum lugar à margem da viabilidade econômica pode ser empurrada para além do limite da capacidade de sobrevivência.

Realismo e Abstração em Economia: Aristóteles e Ludwig von Mises contra Milton Friedman

O autor mostra como a abstração é entendida na tradição aristotélica e usa a compreensão aristotélica de abstração para mostrar como o argumento de Friedman pró irrealismo é confuso. Mostra ainda que essa crítica aristotélica de Friedman está implícita na obra de Ludwig von Mises. Em seguida demonstra que existe um uso austríaco legítimo para modelos irreais, que não é o uso que Friedman imagina. Por fim, explica como a crítica austro-aristotélica de Friedman contribui para a controvérsia e para os debates austríacos sobre apriorismo metodológico.

A obviedade da anarquia

Você já se perguntou por que as pessoas acreditavam no direito divino dos reis, apesar do fato de que os monarcas de seu tempo não eram evidentemente o tipo de pessoa que tudo sabe ou um deus bom, como os escolhidos a reinar sobre eles? Acreditaram nisso porque foram ensinadas a acreditar nisso e porque podiam imaginar que sim, independentemente de todas as evidências em contrário. Não acreditamos mais em coisas tolas como o direito divino dos reis. Acreditamos que o governo é necessário para uma sociedade pacífica e ordenada e que é feito para funcionar de acordo com o estado de direito. Nós acreditamos nisso porque fomos ensinados a acreditar desde a infância e porque podemos imaginar que é assim, independentemente de todas as evidências em contrário.

A pílula da clareza, parte 1 de 5: O regime de quatro tempos

Nota dos editores: Curtis Yarvin, o tecnólogo mais conhecido por blogar com o nome Mencius Moldbug, estabeleceu uma reputação nesta década como uma das figuras mais influentes e polêmicas da direita online, muito longe do conservadorismo convencional estabelecido. Nos últimos anos, como a cena política na Internet se fragmentou com um crescimento explosivo, algumas facções adotaram conceitos que Yarvin introduziu - como a metáfora da "pílula vermelha" associada a Matrix - e os popularizaram, às vezes de maneiras não saudáveis ​​e extremistas. Agora, em uma nova série de ensaios, Yarvin define o testemunho de seu pensamento, suas críticas e seu desafio radical a todas as estruturas políticas que competem pelo domínio na vida americana. Partidários de todas as faixas fariam bem em se preparar para responder a esse ataque - criado com força e autoridade nos círculos da tecnologia. A questão de saber se a política americana pode proporcionar uma boa vida hoje é aquela que continuamos a responder afirmativamente. Mas sem o choque saudável do sistema que Yarvin provoca, e a tensão e o debate resultantes que são a essência da democracia política, todas essas respostas afirmativas, suspeitamos fortemente, serão enfraquecidas, por mais febril que elas sejam.

Da democracia à anarquia

A estratégia argumentativa de Mozi é simples e convincente: ele parte de uma proibição ética incontroversa, aplica o mesmo princípio a um tipo específico de política do governo e considera que a política é moralmente inaceitável. É no espírito de Mozi que questiono a instituição do governo como um todo. Se um indivíduo viaja para outro país para matar pessoas, extrai coercivamente dinheiro de membros de sua própria sociedade, força outros a trabalharem para ele ou impõe exigências prejudiciais, injustas ou inúteis a outros através de ameaças de sequestro e prisão, os governos do mundo todo condenariam esse indivíduo. No entanto, esses mesmos governos não evitam realizar as mesmas atividades em escala nacional. Se achamos o argumento de Mozi convincente, parece que deveríamos achar similar o argumento de que a grande maioria das ações do governo é eticamente inaceitável.

Guerra e defesa da sociedade

Outros pensadores mantêm uma posição quase oposta: os preparativos militares tornam a guerra mais provável do que menos. Uma razão é que os líderes que acreditam que sua nação está bem preparada para a guerra ou que se consideram comandantes de grandes forças militares podem se comportar de maneira mais agressiva nas interações entre Estados, provocando respostas mais agressivas de outros. Um segundo problema é que a manutenção de um exército permanente cria uma classe permanente na sociedade com interesse econômico em guerra - militares, fabricantes de armas e outros que negociam com militares - e esse "lobby de guerra" pode promover suspeitas a nações estrangeiras e apoiar líderes agressivos que têm maior probabilidade de iniciar ou escalar conflitos. Um terceiro problema é que, apesar da popularidade do ditado "se você deseja paz, prepare-se para a guerra", países estrangeiros têm menos probabilidade de tomar seus preparativos de guerra como evidência de desejos pacíficos do que como evidência de intenções hostis. A suspeita e hostilidade gerada em nações estrangeiras aumentará a probabilidade de espirais de conflito que levam à guerra.

Justiça criminal e resolução de disputas

Existem dois sistemas principais pelos quais uma sociedade pode prever a resolução de disputas e a correção de violações de direitos. O primeiro é o sistema coercitivo e monopolista, no qual uma única organização assume autoridade exclusiva para fazer leis, resolver disputas e punir criminosos. Problemas grandes e bem conhecidos tendem a ocorrer em sistemas desse tipo, incluindo condenações errôneas frequentes, restrições legais excessivas e excessivamente complexas, altos custos monetários, atrasos, prisões superlotadas, abuso de prisioneiros e altas taxas de reincidência. Os governos em geral fazem pouco para resolver esses problemas, apesar da identificação por cientistas sociais e outros especialistas de inúmeras medidas que poderiam ser tomadas para melhorar significativamente o sistema. Essa negligência por parte do governo pode ser atribuída às características definidoras dessa abordagem da justiça; ou seja, seu caráter coercitivo e monopolista. Como o sistema governamental é financiado através de impostos obrigatórios, tribunais, prisões e outros elementos do sistema judiciário podem continuar a coletar a receita que o governo deseja alocar, independentemente da satisfação do consumidor. Como o governo detém um monopólio efetivo da provisão de justiça, essas organizações não precisam temer a substituição por concorrentes, independentemente de seu desempenho.

Segurança individual em uma sociedade sem Estado

A natureza radical desta proposta geralmente gera forte resistência: diz-se que a justiça não deve estar à venda; que as agências estarão em constante guerra umas com as outras; que servirão aos criminosos em vez de suas vítimas; que servirão apenas aos ricos; que não serão capazes de nos proteger, assim como o governo; que se transformarão em agências de extorsão; que um monopólio ou cartel evoluirá para explorar os clientes. Essas objeções surgem bastante quando estudantes, professores e leigos instruídos são introduzidos pela primeira vez à ideia de serviços de proteção não-estatais. Mas se examinarmos a proposta com mais cuidado e maior extensão, veremos que nenhuma dessas objeções é bem fundamentada. Os anarquistas têm argumentos bem fundamentados, fundamentados na teoria econômica e em premissas realistas sobre a psicologia humana, sobre como uma sociedade anarquista evitaria cada um dos desastres que os críticos temem.