por Israel Kirzner

[ Chapter 12: Self-interest and the new bashing of economics: a fresh opportunity in the perennial debate? do livro The Meaning of Market Process – Tradução de Giácomo de Pellegrini ]

Capítulo 12: Auto-interesse e a nova crise econômica: uma nova oportunidade no debate perene?

É notada uma série de ataques recentes à suposição da racionalidade na teoria econômica. Alguns desses ataques são novos e, em muitos aspectos, originais, mas as ideias centrais subjacentes a eles não são novas. Parecem ter sido provocados pela direção em que grande parte da economia dominante vem se movendo nos últimos anos. Por outro lado, sugere-se aqui que certos desenvolvimentos da economia contemporânea, associados particularmente ao renascimento do auto-interesse no paradigma austríaco, oferecem uma nova compreensão da maneira pela qual a suposição da racionalidade, seu papel na economia adequadamente entendido, seja capaz de enfrentar esses novos e antigos ataques.

A suposição do auto-interesse na teoria econômica despertou um debate apaixonado na história da disciplina. As paixões foram acesas pela primeira vez em reação à economia clássica, que parecia assumir não apenas um mundo de pessoas auto-interessadas, mas um mundo em que elas não pretendiam nada além da satisfação material. Para John Ruskin, tudo isso significava que os economistas clássicos e aqueles que podiam ler seu trabalho com aceitação “deviam ter entrado em um estado de alma totalmente condenável” (Ruskin 1934: 14n). À medida que o século XIX avançava, o tom das críticas ao papel do homo oeconomicus na economia passou de indignação para indignação metodológica. Tanto no continente quanto na Inglaterra, e muito em breve nos Estados Unidos, os críticos da economia, em suas versões clássica e neoclássica, eram denunciados como irremediavelmente danosos as suposições cardinais sobre as quais a teoria econômica parecia repousar. De Cliffe Leslie, no Reino Unido, a Thorstein Veblen, nos Estados Unidos, os críticos historicistas e institucionalistas exigiram uma economia reformada que deveria reconhecer a complexidade da natureza humana, a variedade de objetivos e motivações humanas e o grau em que forças sociológicas e psicológicas estão entrelaçadas com (ou até envolvidas inteiramente) aquelas apontadas pelos teóricos da economia. Uma literatura inteira surgiu em torno dessas questões controversas, com as mesmas acusações e refutações sendo levantadas repetidamente.

Uma série de livros recentes – de Robert Frank (1988), Gregg e Paul Davidson (1988) e Amitai Etzioni (1988) – mais uma vez injetou essas questões ocultas no debate atual. Esses volumes não são simplesmente reedições dos velhos protestos dos moralistas ou historicistas; cada um deles ataca de forma nova a economia dominante do final do século XX. No entanto, basicamente os pontos de substância dos quais esses ataques derivam sua força são, com algumas exceções notáveis, os mesmos pontos que nutriram os ataques à economia há mais de um século. Embora os autores demonstrem pouco interesse em possíveis antecessores intelectuais, suas divergências fundamentais com a economia mainstream se resumem a algumas objeções clássicas e fundamentais – de fato, objeções que foram debatidas repetidamente. Embora em certos lugares desses livros seja feita referência a respostas padrão que podem ser previstas pelos defensores da economia mainstream, essas defesas são descartadas como insuficientemente sérias.

Nosso objetivo nestas páginas não é revisar esses livros, mas refletir novamente sobre as veneráveis ​​questões sobre as quais elas nos lembram. Em particular, é digna de atenção a circunstância em que essas críticas da economia mainstream apareceram no momento. O que os principais economistas de hoje fizeram para despertar mais uma vez as antigas denúncias apaixonadas de sua ciência? Ou, para adotar uma abordagem diferente, a economia da década de 1990 talvez repouse essas críticas de maneira mais definitiva do que a economia da década de 1890 – ou da década de 1930 – foi capaz de conseguir? De fato, argumentaremos que (a) alguns desenvolvimentos modernos da economia mainstream podem de fato ter desempenhado um papel na provocação dessas críticas, mas (b) que (não inteiramente por coincidência) outros desenvolvimentos modernos da economia, desenvolvimentos que emergiram de uma vertente separada da análise crítica da economia mainstream pode ajudar a mostrar como as defesas clássicas da economia contra os tipos de críticas levantadas nesses novos livros podem ser apreciadas e ampliadas de uma nova maneira. Assim, talvez seja apenas possível que o complicado estado da economia moderna, ao mesmo tempo em que provoque renovações das antigas críticas de formas cada vez mais agressivas, também possa apontar o caminho para uma apreciação mais profunda da irrelevância final dessas críticas.

EGOÍSMO E ECONOMIA

Uma caricatura levemente injusta das críticas antigas levantadas contra a economia seria retratá-las como entendendo a economia como a teoria de uma sociedade em que todos os indivíduos são estritamente egoístas e friamente lógicos, sem um pingo de moral ou um pingo de emoção em suas veias. O homem econômico que essas críticas consideram central para a teoria econômica tem a intenção pouco atraente, em primeiro lugar, apenas de mais e mais riqueza, motivado exclusivamente pelo desejo de desfrutar dos prazeres que o dinheiro pode comprar. Seu caráter não é redimido por quaisquer simpatias altruístas; seu desejo de satisfazer seu apetite é irrestrito por quaisquer reservas morais. Suas ações são governadas por uma lógica semelhante a uma armadilha de aço, nunca suavizadas ou desalojadas pela emoção ou fraqueza da vontade. Do ponto de vista dos críticos, a teoria econômica é capaz de chegar a conclusões firmes e, em particular, atribuir propriedades benignas à economia de livre mercado, apenas desenvolvendo modelos habitados exclusivamente por esses homens econômicos. Os três livros citados acima começam com aproximadamente essa percepção da economia mainstream. Cada um deles ataca essa economia a partir de um ponto de partida ligeiramente diferente.

A crítica de Robert Frank é, em certo sentido, a mais branda e a menos “perigosa” para os praticantes da economia mainstream. O professor Frank argumenta que não é necessário que a economia assuma uma racionalidade exclusiva, entendida como total liberdade da emoção e da paixão. A validade da economia, portanto, não é ameaçada por exemplos difundidos no mundo real de comportamento apaixonado. Pode-se demonstrar, por meio de teorias engenhosas e exemplos hipotéticos impressionantes, que, a longo prazo, pode ser inteiramente útil permitir que as decisões sejam moldadas por simpatia moral, pelo desejo de vingança, pela picada de consciência, pela confiança e similares, mesmo onde um raciocínio mais frio possa parecer à primeira vista apontar para diferentes cursos de ação. Com base nos trabalhos anteriores de Thomas Schelling e outros, Frank mostra como a prática do comportamento moral, por exemplo, pode não só ser boa para a sociedade, mas também pode ser materialmente benéfica para os próprios praticantes. Claramente, embora tudo isso permita que os modelos dos economistas abranjam tipos de comportamento tradicionalmente excluídos, a perspectiva geral atribuída à economia não precisa ser substancialmente alterada. Longe de exigir um escopo severamente restrito para os modelos de economistas, o trabalho do professor Frank pode de fato ser interpretado como uma demonstração da relevância desses modelos para racionalizar o comportamento, antes considerado fora do escopo. Altamente original em muitos aspectos, esse trabalho não pode de maneira alguma ser descartado como redescobrindo as críticas da economia do século XIX.

Os Davidsons certamente não vêm estender a aplicabilidade dos modelos dos economistas. Eles interpretam a economia como louvando a utilidade social do comportamento exclusivamente auto-interessado. A economia chega a teoremas que demonstram a otimização social do comportamento estritamente individualista. A economia não apenas parece desaprovada pelas virtudes cívicas, como também promove a eficiência técnica por si mesma (mesmo quando essa eficiência pode ser buscada para promover objetivos genocidas!) E mede o valor social apenas na medida em que possa ser capturado por um preço de mercado em dólares. Para os Davidsons, o mundo explicado pela teoria econômica é um lugar muito repulsivo; uma sociedade civilizada, argumentam, requer uma economia totalmente diferente. A cegueira moral e científica dos economistas, os Davidsons sentem, não é apenas responsável por promover essa sociedade repulsiva e incivilizada. Essa cegueira impede que os economistas percebam que mesmo o bem-estar material sobre o qual concentram essa atenção exclusiva deve sofrer em um mundo desprovido de valores civilizados. Sem confiança e virtude cívica, os mercados não podem funcionar. O cinismo em relação aos valores morais que permeia a economia mainstream é basicamente inconsistente com a prosperidade que está sendo buscada. Grande parte da crítica de Davidson lembra fortemente as condenações da economia de meados do século XIX, particularmente as de Carlyle e Ruskin.

O ataque do professor Etzioni à economia é o mais ambicioso. O foco de suas críticas está na validade da teoria econômica em explicar os fenômenos do mundo real, e não na conveniência moral (ou outra) de um mundo construído de acordo com as especificações dos modelos dos economistas. Para Etzioni, a economia simplesmente não é uma boa ciência social; suas suposições são falsas e suas conclusões inválidas. A falsidade das suposições dos economistas refere-se, em particular, (a) à natureza do consumidor (a quem os economistas supõem falsamente estar em busca apenas do prazer) e (b) às decisões tomadas pelos agentes econômicos (que os economistas falsamente acreditam ser feito inteiramente racionalmente e sem nenhuma distorção decorrente da paixão e da emoção). Embora seja impossível aqui fazer justiça à riqueza da pesquisa crítica exaustiva de Etzioni sobre a economia moderna, deve-se salientar que sua crítica é, em base, inteiramente semelhante aos apelos do final do século XIX por uma ciência da economia reformada. Assim como os críticos anteriores, Etzioni está pedindo uma economia (ele a chama de “socioeconomia”), que na verdade deve ser um tipo de sociologia econômica. Suas objeções à economia, como as de seus antecessores seculares, atacam o próprio conceito de uma ciência pura da economia. De fato, essa linha de crítica tem consistentemente sustentado que a economia só pode ser resgatada abandonando os limites tradicionais da disciplina. Pois as explicações dos fenômenos sociais que, para fins analíticos, começam postulando um campo separado de ação estritamente econômica, são fatalmente defeituosas desde o início.

AS DEFESAS-PADRÃO E AS RÉPLICAS-PADRÃO

Tradicionalmente, os economistas se defendem contra ataques à irrealidade do homem econômico seguindo uma ou outra das duas possíveis linhas de raciocínio.

Uma linha de defesa tem sido argumentar que a suposição da racionalidade (ou suposição do egoísmo, ou qualquer versão da suposição fundamental de que a atividade do homem econômico está sob ataque) nunca é entendida como mais do que uma primeira aproximação útil. Considera-se que a suposição é aproximadamente válida para grande parte da atividade humana, de modo que os modelos da teoria econômica fornecem orientações indispensáveis ​​para a compreensão do mundo real. É certo que esta orientação deve ser complementada com uma consideração cuidadosa do comportamento real em situações específicas; não obstante, seria tolice rejeitar de imediato a orientação dos modelos econômicos puros. A inclusão de todas as características sociológicas e/ou psicológicas relevantes das situações do mundo real só pode obscurecer aquelas poderosas cadeias de causa e efeito que surgem da extensão significativa em que as suposições do economista são empiricamente relevantes para essas situações.[1]

Os críticos da economia (incluindo, em particular, o professor Etzioni), de uma maneira ou de outra, rejeitaram essa linha de defesa. Negaram a utilidade empírica das suposições dos economistas. Eles acusaram os economistas de ignorarem, pelo menos em suas recomendações políticas, seu próprio serviço à relevância real limitada de seus modelos. De fato, afirmam os críticos, os economistas permitiram que seus modelos fugissem deles, de modo que são simplesmente incapazes de abandonar sua adesão a essas suposições suspeitas. Essa refutação foi aguçada pelo trabalho contemporâneo de economistas como Gary Becker, que aplicou os modelos de economia a áreas da vida humana (como casamento e família) nas quais (os críticos acreditam) as suposições dos economistas são, até mais do que o habitual, flagrantemente irrealista. Esses críticos estão profundamente ofendidos pela insistência dos economistas, não apenas em barrar os insights da sociologia de suas explicações para os fenômenos econômicos, mas em, na verdade, reivindicar “de forma imperiosa”, em nome de seus próprios modelos caricatural do comportamento humano, território tradicionalmente reconhecido como reserva de outras ciências sociais.

A segunda das duas defesas tradicionais da economia foi a de defender uma versão altamente refinada da suposição do homem econômico. Argumenta-se que a economia não precisa, e nunca precisou, das suposições mais grosseiras às vezes empregadas na caracterização do homo oeconomicus. O homem econômico não precisa ser materialista ou egoísta; nem precisa ser eficiente em nenhum sentido objetivo. Ele apenas tem que buscar objetivos propositadamente, à luz de suas próprias percepções de possibilidades e restrições relevantes. Desde que, em 1932, Lionel Robbins se baseou nas ideias de Philip Wicksteed no Reino Unido e em vários economistas austríacos das décadas de 1920 e início da década de 1930 para formular essa representação rarefeita do agente econômico (Robbins 1935), os economistas se sentiram justificados em deixando de lado grande parte das críticas padrão. Como Mises (um dos austríacos cujas ideias Robbins se inspirou) havia explicado em 1922, não há nada na abordagem do economista que implique ausência de restrições morais. Não há nada amoral ou “não civilizado” na perspectiva do economista. As naturezas verdadeiramente sensíveis, indicou Mises, não precisam ficar consternadas com a maneira como o economista calcula as coisas. “Convocado a escolher entre pão e honra, [essas naturezas verdadeiramente sensíveis] nunca ficarão sem saber como agir. Se a honra não pode ser comida, comer pode pelo menos ser renunciado por honra.” (Mises, 1936).

Os críticos não aceitaram essa linha de defesa. Como Etzioni (1988: 21) aponta (no que diz respeito à versão mais moderna da linha de defesa Wicksteed-Mises-Robbins, que trata a utilidade como um “conceito estritamente formal, como o denominador comum de todas as preferências humanas”), essa defesa envolve primeiro a redução da teoria da utilidade a uma tautologia. Segundo, suprime diferenças substantivas importantes que separam as ações humanas destinadas a buscar prazer daquelas tomadas em resposta a imperativos morais (Etzioni 1988: 23-50). Insistir no paradigma “mono-utilitário” é oferecer teorias vazias de conteúdo e relevância empíricas e obscurecer diferenças significativas e facilmente compreensíveis nos padrões de comportamento.

Nossa posição a seguir será geralmente do lado dos defensores da economia, especialmente aqueles que empregam a abordagem de Mises-Robbins. Mas argumentaremos que o significado total dessa resposta para os críticos sociológicos e historicistas ainda não foi adequadamente articulado. Nossa elaboração do argumento de Mises-Robbins exigirá que rejeitemos (como os críticos da economia rejeitam) a primeira linha de defesa mencionada anteriormente. Nossa defesa da suposição da “racionalidade” – usando aspas para evitar se envolver em debates de definição sobre exatamente qual conceito de racionalidade sustenta a economia – enfatizará o significado dessa suposição, não para a teoria da tomada de decisão, mas para a teoria do processo de mercado.

“RACIONALIDADE” E O PROCESSO DE MERCADO: UMA NOVA ARTICULAÇÃO

Manteremos, talvez um pouco dogmaticamente, que o núcleo da teoria econômica é a teoria dos mercados. Mesmo os críticos mais severos da economia dificilmente negam que pelo menos alguns mercados funcionem sistematicamente pelo menos uma parte do tempo. A explicação das forças sistêmicas responsáveis, afirmamos, constitui a ideia central da teoria econômica. Para nós, a existência de forças sistêmicas de mercado significa a existência de um processo espontâneo de aprendizado. O que a teoria econômica essencialmente se propõe a explicar, portanto, é como um processo de aprendizado espontâneo pode ser acionado pela interação de indivíduos em intercâmbio. Afirmar que os mercados funcionam sistematicamente é afirmar que os participantes do mercado tendem espontaneamente a se informar melhor uns com os outros, como resultado de experiências iniciais de mercado baseadas em percepções errôneas anteriores sobre as habilidades, atitudes e graus de ansiedade uns dos outros. A grande contribuição da ciência econômica para a compreensão social tem sido discernir e explicar esse tipo de processo de aprendizado espontâneo – em todos os tipos de contextos específicos. Não há nada, na teoria econômica, que explique esse processo, que dependa de qualquer contexto específico em que ele possa se manifestar. Não há nada na teoria econômica que a restrinja a indivíduos que buscam satisfações estritamente materiais ou que exclua a operação de imperativos e restrições morais. Talvez mais ao ponto para os propósitos atuais, estritamente falando, nada na teoria econômica pretende explicar como os indivíduos, com as informações fornecidas, tomam suas decisões; refere-se exclusivamente aos padrões de informação que mudam espontaneamente à luz das quais essas decisões são tomadas durante o curso do processo de mercado. Nossa defesa do pressuposto da “racionalidade” na economia se resume à alegação de que o único papel essencial desempenhado por esse pressuposto não se refere à maneira como as decisões são tomadas, mas à maneira pela qual oportunidades até agora negligenciadas de ganhos de mercado passam a ser percebidas. Tudo isso exige alguma elaboração; representa, reconhecidamente, uma compreensão altamente heterodoxa do papel do princípio da “racionalidade”.

MICROECONOMIA E TEORIA ECONÔMICA

O papel geralmente percebido da suposição da “racionalidade” na teoria econômica moderna – em nossa opinião, um papel um tanto mal percebido – decorre da maneira como a microeconomia é geralmente percebida. É reconhecido (é claro) que os elementos centrais da teoria econômica são aqueles que compõem a microeconomia. Ou seja, esses elementos são entendidos analiticamente como provenientes de decisões tomadas por participantes individuais do mercado. A partir desse claro ponto de partida, desenvolveu-se, no entanto, a infeliz percepção de que uma tarefa central da teoria econômica é explicar a decisão individual, no sentido de fornecer, em princípio, uma maneira de prever o que um determinado consumidor individual, proprietário de recursos ou o proprietário de uma empresa decidirá fazer em determinadas circunstâncias. Para esta explicação, geralmente é entendida, a suposição da “racionalidade” fornece o princípio de controle. Na crítica moderna da economia, é a validade desse princípio de controle que está sob ataque. Acreditamos que essa percepção da microeconomia e, portanto, a crítica da economia com base nas fraquezas percebidas no pressuposto da ‘racionalidade’, sejam fundamentalmente imprecisas.

Em nossa opinião, o elemento central da teoria microeconômica é sua explicação da maneira pela qual tendências sistemáticas de mercado surgem. Essas tendências surgem da interação de decisões individuais; é isso que torna a microeconomia central para a teoria econômica. Mas o foco principal da microeconomia deve, em nossa opinião, ser o processo pelo qual essa interação de decisões individuais gera sistematicamente uma maior consciência mútua. O papel central da “racionalidade”, veremos, diz respeito a esse processo de aprendizado. De fato, em nossa opinião, não é função da economia explicar a tomada de decisão, em nenhum sentido, exceto o mais formal (“tautológico”). A função da microeconomia é explicar como, no decorrer do processo de mercado, as decisões tendem a mudar – espontânea mas sistematicamente – de padrões que são inicialmente baseados em informações mais erroneamente assumidas (relativas às atitudes dos agentes participantes do mercado) em relação a padrões que baseiam-se em informações mais corretas. Reconhecemos, é claro, que é certamente importante, no desenvolvimento de uma microeconomia, elaborar uma estrutura formal dentro da qual se possa prever decisões a serem tomadas. Afinal, é somente dessa maneira que podemos focar cuidadosa e precisamente as maneiras pelas quais suposições errôneas por parte dos participantes do mercado tendem a ser sistematicamente substituídas por suposições mais corretas. Mas a elaboração de tais estruturas formais nunca tem a função de fornecer teorias operacionais relativas a decisões individuais. O papel da suposição da “racionalidade” na teoria microeconômica da decisão individual deve, portanto, parecer totalmente inócuo precisamente por causa de seu vazio empírico. Assim, endossamos completamente a defesa de Mises-Robbins do papel da suposição da “racionalidade”, que enfatiza a generalidade completa da utilidade em relação à qual se supõe que os indivíduos visam propositalmente. Mas desejamos fazer duas observações relevantes. Primeiro, argumentaremos que essa defesa é apenas o começo da história completa. Segundo, deve ficar claro em nossa discussão que as refutações-padrão oferecidas contra a defesa de Mises-Robbins, denunciando-a como transformando a teoria microeconômica da decisão em um tecido de tautologias, incapaz de explicar distinções importantes e óbvias entre classes de decisões sob uma variedade de circunstâncias, totalmente erra o alvo. Isso ocorre porque a função da teoria microeconômica da decisão é precisamente a de fornecer a estrutura tautológica necessária para a teoria subsequente do processo de mercado. A utilidade e a validade do pressuposto da “racionalidade” deve, em nossa opinião, ser julgada de maneira mais crucial em termos de seu sucesso na explicação do processo de mercado.

AUTO-INTERESSE E DESCOBERTA

O processo de aprendizado que impulsiona as forças do mercado é composto principalmente de decepções e descobertas. Os indivíduos são, talvez, inicialmente otimistas demais em relação ao que acreditam que os outros estarão preparados a pagar pelo que desejam comprar, ou em relação ao que acreditam que os outros estarão preparados a aceitar pelo que desejam vender. O excesso de otimismo gera decepções. As realidades frias conduzem à verdade. Os planos subsequentes de compra e venda tendem a ser feitos com base em avaliações mais realistas. O preço tende para o nível de equilíbrio do mercado, no qual ninguém precisa se decepcionar. O mesmo vale para a teoria do equilíbrio de mercado.

Ou ainda, os indivíduos podem ser desnecessariamente pessimistas em relação ao interesse dos outros no comércio. Podem acreditar que os compradores em potencial estão muito pouco interessados, que não comprarão, exceto a preços muito baixos (ou que os possíveis vendedores não venderão, exceto a preços muito altos). Esse pessimismo excessivo significa que os participantes do mercado talvez negligenciem as oportunidades valiosas de ganhos reais através da troca. Tais oportunidades para (o que equivale a) lucro puro tendem a estimular a descoberta. À medida que as descobertas são feitas, os preços de uma determinada mercadoria ou serviço produtivo ou qualquer outra coisa convergem; os preços de entrada e de saída convergem; o lucro puro é espremido até que, em equilíbrio, esteja totalmente ausente. O mesmo ocorre com a teoria do equilíbrio geral.

Esses processos de aprendizado são espontâneos, não deliberados. Eles são orientados, não pelo planejamento da aquisição de conhecimento dispendioso, mas pela realização espontânea (resultante da experiência) de erro anterior. Em particular, são motivados pela atenção dos indivíduos que pretendem alcançar seus propósitos. Pessoas sem interesses ou objetivos não tenderão a descobrir as mudanças nas condições externas que favoreçam ou ameaçam a realização de interesses ou objetivos. Prontidão sem algum grau de intencionalidade é simples e totalmente implausível. O auto-interesse (no sentido rarefeito de Mises-Robbins de propósito) muda a consciência de alguém para condições decepcionantes até agora despercebidas ou oportunidades de ganho até então despercebidas. Sem a suposição da “racionalidade” tendendo a garantir a descoberta espontânea gradual de verdades relevantes do mercado, os economistas não teriam base para explicar o caráter sistemático dos processos de mercado.

O auto-interesse, a intencionalidade, postulada aqui não precisa de maneira alguma negar as preocupações morais do homem ou sua suscetibilidade a paixões cegas. A teoria não postula padrões específicos de tomada de decisão concreta; apenas pede que reconheçamos algum papel, na ação humana, da “racionalidade”. Na medida em que a “racionalidade” desempenha um papel nas decisões humanas, temos o direito de demonstrar como isso pode gerar padrões sistemáticos de aprendizado mútuo por parte dos indivíduos participantes. Rejeitar a demonstração científica do poder de tais padrões sistemáticos de aprendizagem, com base em “irracionalidade” ocasional ou frequente, é recusar-se a ver uma tendência poderosa que se manifesta em relação a todos os interesses dos seres humanos. As “leis da oferta e demanda” realmente explicam uma série de questões; confiam nos efeitos poderosos do propósito humano – sem, no mínimo, ocultar a influência de preocupações morais, preocupações altruístas ou outras preocupações que possam ser expressas por esses propósitos, e sem, no mínimo, presumir a total ausência de obstáculos apaixonados e emocionais para as descobertas que podem ser feitas apenas pela razão pura.

Nada na explicação das leis da oferta e demanda nega a possível existência de outras leis (leis “não econômicas”) relevantes para o comportamento humano. Não há nada na teoria econômica que precise deslocar outras disciplinas (sociologia, psicologia, o que seja) de explorar a possibilidade de outras regularidades. Mas, ao mesmo tempo, os insights da teoria econômica não podem ser compreendidos sem perceber o papel da “busca do auto-interesse” de possíveis objetivos altruístas ou outros na geração de processos de descoberta mútua.

DEFESAS INADEQUADAS E INEPTAS DA ECONOMIA

Aqueles que defendem a economia com base na precisão aproximada de suposições específicas relativas à ausência de preocupações morais altruístas ou outras, ou à ausência de elementos apaixonados e emocionais na ação humana, estão, na perspectiva aqui articulada, em última análise, fazendo um desserviço à economia. Na medida em que sua defesa propõe que a economia substitua outras ciências sociais na explicação das especificidades do comportamento humano, tornam válidas todas as críticas daqueles que desafiam o realismo do homem econômico egoísta, calculista e cruelmente amoral. Qualquer utilidade ocasional, na compreensão de fenômenos sociais ou econômicos específicos, pode ser derivada da aplicação de tais modelos de comportamento humano altamente concebidos e estritamente concebidos, certamente é superada pelos custos correspondentes. Esses custos incluem, em particular, as infelizes expectativas levantadas por muitos leigos – e até profissionais
– observadores de que a economia, por si só, pode explicar e, em princípio, prever o que as pessoas farão em circunstâncias específicas. Um custo relacionado é o desvio de atenção do que a economia realmente fornece de maneira exclusiva: uma explicação satisfatória de por que e como os mercados funcionam.

Um custo particularmente infeliz dessa linha de defesa ineficaz tem sido perpetuar o mito de que as implicações normativas da teoria econômica padrão permanecem ou caem com a validade desse homo oeconomicus estritamente definido. É em grande parte apontando para a presença nos seres humanos do mundo real de que impulsos morais e paixões poderosas influenciam diretamente as decisões que os críticos da economia se sentem livres para rejeitar as ideias a serem aprendidas da economia com relação às consequências socialmente benignas dos mercados livres. Naturalmente, essa rejeição tem sido o principal motivo que inspirou as críticas metodológicas feitas contra a economia desde a década de 1870.

Porém, uma vez que se reconheça que é a linha de defesa Mises-Robbins que compreende com precisão o papel da suposição da “racionalidade”, os assuntos parecem decididamente diferentes. A linha de defesa Mises-Robbins aponta, como discutido, para a supremacia da suposição da “racionalidade”, não tanto na teoria da tomada de decisões quanto na teoria da aprendizagem espontânea. A suposição da “racionalidade” nos permite reconhecer que os mercados incentivam as pessoas espontaneamente a descobrir oportunidades de obter ganhos – em termos do que interessa. Com a ênfase deslocada da decisão específica tomada, para as estruturas de informações e percepções em mudança nas quais as decisões podem ser feitas (seja sob a inspiração da lógica, emoção, paixão ou qualquer outra coisa), a suposta implausibilidade do papel da “racionalidade” na economia se torna uma acusação cada vez mais difícil de ser levada a sério. É verdade que a postulação de tendências em equilíbrio requer um papel de propósito deliberado, mas de maneira alguma exige um papel exclusivo. Os teoremas que mostram como os processos de aprendizado mútuo podem se desenvolver espontaneamente podem ser vistos como relevantes para todos os tipos de interesses humanos, e mantêm a validade desde que a intenção humana seja pelo menos um elemento na composição psicológica dos participantes do mercado. É certo que a implantação fácil da teoria dos mercados para explicar desenvolvimentos em circunstâncias históricas particulares é uma tarefa altamente traiçoeira. Onde preocupações morais ou pessoais complicam as decisões de negócios, pode ser perigoso tentar identificar empiricamente as “mercadorias” específicas em relação às quais a economia supostamente postula a existência de processos espontâneos de aprendizado. Mas o impulso geral da economia certamente permanece sólido: o mercado é entendido como um oceano fervilhante de decisões em interação, tendendo continuamente, sujeito a constantes tentativas de “mudanças externas”, em direção à descoberta mútua sistemática por todos os pares de indivíduos entre os quais (dados seus interesses) a troca (de algo) pode ser mutuamente benéfica. Essa tendência nunca se completa, nem se suspende. É frequentemente interrompida, muitas vezes possivelmente distorcida, mas nunca deixa de exercer sua influência.

A ECONOMIA DO AUTO-INTERESSE E DO SÉCULO XX

Pode ser útil concluir brevemente com algumas reflexões sobre a atualidade desta nova rodada de debate sobre o papel da suposição da “racionalidade” na economia. Esses pensamentos se concentram em dois temas: por que a economia moderna, nesse momento específico, provocou essa nova explosão de ataques à suposição da “racionalidade”; e como o renascimento contemporâneo da tradição austríaca (a mesma tradição que alimentou a defesa de Mises-Robbins citada anteriormente) tornou possível delinear um aspecto novo (e ainda mais eficaz) da clássica defesa de Mises-Robbins da suposição da “racionalidade” na economia.

Que a economia mainstream moderna provocou uma onda renovada de ataques girando em torno da suposição da “racionalidade” é eminentemente compreensível. É em nosso tempo que a microeconomia assumiu mais uma vez o papel paradigmático controlador na teoria econômica. Isso foi feito de uma maneira que enfatizou as contribuições concretas de que, afirma-se, a suposição da “racionalidade” pode trazer para a ciência social empírica. A microeconomia moderna passou a “invadir” os territórios de outras ciências sociais, colocando cada vez mais peso no caráter crucial do comportamento de maximização restrito que a suposição da “racionalidade” considera tão central. Os economistas (associados com frequência à Universidade de Chicago) são os mais entusiasmados defensores do livre mercado (como consequência dessa economia), cuja economia parece mais em dívida com as formulações mais restritas da suposição da ‘racionalidade’ na economia. Foi George Stigler quem sugeriu (1984) que dólares e liberdade são, para fins relevantes, inteiramente sinônimos. Foi Richard Posner (1983), cujo trabalho sobre direito e economia fez da maximização do valor de mercado o único critério para a felicidade humana. Em outras palavras, os economistas modernos pareciam permitir que as formulações mais restritas da suposição da racionalidade ditassem políticas sociais naquilo que os críticos poderiam facilmente perceber como sendo uma moda altamente perigosa. Não é de surpreender que tudo isso tenha estimulado reações fortemente críticas.

No entanto, ao mesmo tempo em que a economia dominante foi formulada em concepções cada vez mais restritas da racionalidade, ao mesmo tempo em que a racionalidade se aproximava perigosamente de ser vista como praticamente sinônimo de onisciência universal, o renascimento da tradição austríaca nos permitiu estender a defesa clássica de Mises-Robbins com vigor renovado. Os desenvolvimentos dentro da tradição austríaca enfatizaram a centralidade, não de estados de equilíbrio gerados por participantes do mercado completamente racionais (isto é, oniscientes), mas de processos de mercado de aprendizado espontâneo desencadeados por alertas empreendedores (Kirzner 1973, 1985a).

Nesses processos, o auto-interesse é de fato um elemento central, mas esse interesse deve, como vimos, ser entendido com uma certa sutileza. O auto-interesse adequadamente entendido não exclui a motivação altruísta; depende da intencionalidade, mas não de qualquer intencionalidade egoísta. O ponto a ser enfatizado é que são os próprios objetivos que inspiram as ações e estimulam a atenção. Os propósitos de alguém podem ser altruístas ou não; o interesse de alguém em atingir suas metas (possivelmente altruístas) ativa a atenção às oportunidades para avançar essas metas. Pode-se parecer estar agindo de maneira egoísta ao acumular lucros nas atividades do mercado; mas se esse esforço para obter lucros é inspirado no sonho de investir numa pesquisa para combater uma doença terrível que ameaça a humanidade; dificilmente a rotularíamos de egoísta. São sonhos e objetivos humanos que fornecem a força motriz para os processos de mercado. A economia depende, para sua compreensão dos processos de mercado, da atenção intencional, dos seres humanos. Nesses processos, o princípio de controle é a descoberta motivada por objetivos. E é a ênfase nesses processos de desequilíbrio de descoberta mútua que nos levou a destacar a relevância da insistência clássica de Mises-Robbins na absoluta generalidade dos motivos humanos.

Notas

[1] Provavelmente, a reformulação mais sofisticada e cuidadosa dessa linha de defesa é a de Machlup (1972).