Animais racionais, produtividade e virtudes constitutivas

Aristóteles de fato urge para que se almeje uma vida tão divina quanto possível, mas deixa claro que a natureza humana coloca restrições nesse objetivo e que realmente se tornar um deus não seria benéfico para um homem. Dessa forma, a melhor vida é a que navega entre os extremos do sub e do super-humano.

O lado hobbesiano de Kant

Uma das diferenças cruciais entre Locke e Hobbes é que este vê a cooperação, ou ao menos algo que se aproxime de cooperação em larga escala ou longo prazo, como irracional e, por consequência, instável na ausência de governo. Isso se dá pois ninguém tem razão para cooperar a não ser que primeiro haja motivo para esperar que a outra parte coopere também, e nisso não se pode confiar a não ser que haja um sistema estatal para punir aqueles que não cooperam. Daí que para Hobbes o estado de natureza é inevitavelmente um estado de guerra.

Kant sobre o uso político de incentivos não morais

Defendi que os filósofos gregos fornecem uma fundação melhor para o liberalismo clássico do que Kant. Porém, pode-se perguntar, com justeza: por que então esses pensadores da Grécia Antiga são tão menos liberais do que Kant em suas propostas políticas reais?

Como as falhas de Kant são virtudes mal aplicadas

Em resumo, as ligações que Rand via eram as seguintes. Em metafísica e epistemologia, Kant – de acordo com a interpretação randiana – nega que a mente humana possa conhecer a realidade; tudo que se pode conhecer é um mundo de aparências construído pelo aparato cognitivo. Em ética, Kant demanda que a felicidade seja sacrificada em nome do dever sempre que haja conflito entre os dois (o que, segundo ele, ocorre com frequência).

A teoria de propriedade rousseauniana de Kant

Concordo com o Dr. White de que os princípios básicos que Kant defende – especificamente, a proibição de tratar pessoas como meros meios – o conscreve a uma política, em geral, libertária, e que o filósofo segue as implicações dessa defesa em medida razoável. Contudo, estou menos convencido pelas tentativas de White de diminuir a centralidade de alguns desvios de Kant dessas implicações.

Kant: Liberal, iliberal ou ambos?

Já que é possível que pensadores cometam erros ao derivar implicações práticas de seus princípios, a questão “quão bom como liberal clássico é Kant?” deve ser diferenciada da questão “quão boa é a fundação para o liberalismo clássico que a filosofia de Kant fornece?”

Ética Kantiana e Libertarianismo

Immanuel Kant (1724-1804) foi um dos filósofos mais influentes de todos os tempos. Seu trabalho foi tanto exemplar do Iluminismo quanto, em alguns aspectos, profundamente crítico dele. Ele fez contribuições importantes a todos os principais subcampos da filosofia, e poucas investigações filosóficas desde seu tempo foram capazes de contornar as questões que ele levantou. Resumir o trabalho de tal figura pode ser difícil, mas deve-se dizer primeiro que Kant era acima de tudo um defensor da livre investigação e do poder da razão humana. Embora ele identificasse certos tópicos particulares sobre os quais acreditava que a razão era obrigada a permanecer em silêncio, ele não negou o poder dela em nenhum outro caso. Pelo contrário, afirmou-a.