O que Piketty não entendeu sobre o terceiro mundo

Meus colegas e eu estimamos que por volta de 200 milhões de árabes vivem na mesma circunstância daqueles que tentaram o suicídio – dependentes do mercado informal pra sua sobrevivência e desprotegidos pelo Estado de direito. Sua situação precária e o hábito das autoridades de expropriar e oprimir explica em grande parte por que a população tomou as ruas para protestar contra seu sofrimento – não contra o capital, mas contra aqueles que mantém o capital fora do seu alcance.